Ensaios & Diálogos em Saúde Coletiva – número 4

Junho de 2017 – N° 4

REVISTA NA ÍNTEGRA – baixar o PDF

ARTIGOS

– GT Educação Popular em Saúde – baixar o PDF – ‘A Educação Popular em Saúde, suas interfaces e os caminhos de seu Grupo Temático na Abrasco’ A Educação Popular em Saúde é um movimento libertário, direcionado à promoção da autonomia das pessoas, à horizontalidade entre os saberes populares e técnico-científicos, à formação da consciência crítica, à cidadania participativa, ao respeito às diversas formas de vida e de conhecimento e à superação das desigualdades sociais e todas as formas de discriminação, violência e opressão.

– GT Comunicação e Saúde – baixar o PDF – ‘Lugar de fala, interlocução e escuta, pelo qual se possa conhecer, compreender e apoiar as lutas de Comunicação e Saúde artigo de Inesita Soares de Araújo sobre a trajetória do GT Com que começou a ser gestado em 1989, em sucessivos encontros de pessoas que já militavam na área da saúde e que se reconheceram partilhando um mesmo projeto: afirmar a comunicação como dimensão fundamental para as propostas da Reforma Sanitária e do SUS.

– GT Trabalho e Educação na Saúde – baixar o PDF – ‘A interlocução com as instituições acadêmicas e os órgãos gestores da política de saúde’ artigo de Isabela Cardoso de Matos Pinto. O GT de Trabalho e Educação na Saúde, em 1994, com a denominação de Recursos Humanos e Profissões de Saúde, cuja atuação em processos de natureza cientifica, técnica e política, vem aglutinando forças em torno de projetos essenciais ao desenvolvimento das Políticas públicas de saúde nesta área específica.

– GT Informações em Saúde e População – baixar o PDF – ’30 anos de debates sobre as Informações e suas tecnologias no SUS ‘ por que a informática, tendo se disseminado em diversos outras áreas no Brasil, ainda encontra dificuldades para ser utilizada na saúde? Como vem ocorrendo a informatização da saúde no Brasil? Quem ganha e quem perde com as ações empreendidas? o GTISP participa dos principais espaços de discussão sobre a informação e tecnologia de informa- ção em saúde, introduzindo, na agenda do SUS, a necessidade da pactuação de uma Política Nacional de Informação e Tecnologia de Informação em Saúde. 

– GT Racionalidades Médicas e Práticas Integrativas e Complementares – baixar o PDF – ‘Racionalidades Médicas e Práticas Integrativas e Complementares: expansão ou ameaça?’ As ideias discutidas neste artigo visam estimular o debate na comunidade de pesquisadores da Saúde Coletiva e especialmente entre os proissionais que ensinam, pesquisam, aplicam ou gerenciam diferentes Racionalidades Médicas e Práticas Integrativas e Complementares – RM-PIC no Sistema Único de Saúde – SUS. Estes últimos constituem uma comunidade nada homogênea, embora bastante identificada por desenvolver no campo da saúde práticas não hegemônicas e muitas vezes contra hegemônicas.

– GT Promoção da Saúde e Desenvolvimento Sustentável – baixar o PDF – ‘Saúde é uma escolha política!’ Um dos pressupostos do GT Promoção da Saúde e Desenvolvimento Sustentável é o reconhecimento das iniquidades regionais no acesso aos recursos financeiros dos editais de ciência, tecnologia e inovação. As regiões Norte e Centro Oeste têm menos programas de pós-graduação, grupos de pesquisa e pesquisadores com bolsa produtividade, consequentemente, mais barreiras para intercâmbios e para diminuir o gap entre os resultados das pesquisas e na influência das políticas públicas.

– Fórum de Editores de Saúde Coletiva – baixar o PDF – O Fórum permite que a interação deixe de ser esporádica e reativa às demandas externas, e se constitui num espaço regular para debater as questões de interesse da atividade editorial em Saúde Coletiva e para articular melhor nossa ação política e científica. Como Fórum, o objetivo comum, e de toda a comunidade científica brasileira, em especial a da área de Saúde Coletiva, é o de aprimorar cada vez mais a qualidade e a visibilidade, nacional e internacional, de nossas revistas.

– Comissão de Ciências Sociais e Humanas em Saúde – baixar o PDF – ‘Ciências Sociais e Humanas em Saúde: por uma investigação e intervenção mais plural’ O texto adotou o formato de um diálogo fictício entre um leigo e um especialista em Ciências Sociais e Humanas em Saúde, com uma finalidade didática, assumindo que o conteúdo apresentado oscila entre a superficialidade e o hermetismo, bem como que grande parte das referências bibliográficas com base nas quais o texto foi escrito não foram explicitadas, embora seus autores tenham sido reunidos nos “Agradecimentos” de Roseni Pinheiro, no Projeto Memória: 30 anos da Comissão de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, de 2013.

– GT Gênero e Saúde – baixar o PDF – Em 1995 o GT foi criado a partir de uma oficina histórica de trabalho que tinha por objetivo fazer um levantamento sobre o estado da arte da produção de conhecimento epidemiológico na temática de gênero e saúde no Brasil. Foi em decorrência da atuação do GT Gênero e Saúde neste espaço de controle social que o óbito materno passou a ser definido como evento de notificação compulsória e que também resultou na investigação rotineira das mortes de mulheres, em idade reprodutiva, pelo sistema de vigilância epidemiológica, até então exclusivamente voltado para as doenças transmissíveis.

– GT Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva – baixar o PDF – Marco na história do GT foi a realização do World Nutrition Rio2012 que reuniu 1800 acadêmicos, gestores, profissionais e ativistas de mais de 70 países, abordou os complexos desafios contemporâneos da Alimentação e Nutrição e foi realizado sem qualquer patrocínio da indústria de alimentos, acontecimento pioneiro à época na experiência de eventos nacionais e internacionais de nutrição.

– Comitê de Relações Internacionais – baixar o PDF – Nossa prioridade de ação é contribuir para a construção da Regional das Américas da Federação Mundial das Associações de Saúde Pública (WFPHA): a Alianza de las Asociaciones de Salud Publica de las Americas (AASPS) formada em 2015.

– GT Saúde Bucal Coletiva – baixar o PDF – A saúde bucal coletiva se encontra em pertencimento à saúde coletiva enquanto referencial que pretende subverter o território odontológico. Um movimento que se origina na reforma sanitária brasileira e procura romper, sobre o ponto de vista epistemológico, com a odontologia.

– GT Monitoramento e Avaliação de Programas e Políticas de Saúde – baixar o PDF – Na última década, devido ao incentivo e fomento para projetos, houve uma expansão da pesquisa e consequentemente dos trabalhos científicos na área, o que de certo modo fortalece e ao mesmo tempo legitima o campo da avaliação em saúde.

– GT Racismo e Saúde – baixar o PDF – Estudos evidenciam as desigualdades raciais e seu impacto na saúde, revelam como o racismo opera no sistema de saúde e desafia a agenda da gestão pública. A solução encontrada pela Abrasco para enfrentar o racismo institucionalizado foi formular e implementar um GT para garantir que esse tema seja incluído dentre as linhas de atuação da Associação.

– GT Violência e Saúde – baixar o PDF – Analisar a violência enquanto um fenômeno biopsicossocial, complexo e dinâmico e em sociedade, classificado por violência estrutural, de resistência e de delinquência, cujas causas estão relacionadas a desigualdades sociais.

– GT Deficiência e Acessibilidade – baixar o PDF – Consideramos que a Saúde Coletiva, como um campo interdisciplinar de saberes e práticas, é um espaço privilegiado para a produção do conhecimento e para atuação política com vistas a consolidar os Direitos Humanos.

– GT Vigilância Sanitária – baixar o PDF – À luz do atual momento de retrocesso que vive o Brasil, especialmente quanto ao desmonte do SUS e das políticas sociais, é necessário atender ao chamado dos diversos movimentos sociais e democráticos do país, no sentido de buscar radicalizar na luta em defesa do SUS público, universal, integral e de qualidade e do seu subsistema de vigilância sanitária.

 

Comments

comments