ABRASCO participa de reuniões da World Federation of Public Health Association


25 de junho de 2013

 

A Assembleia Mundial de Saúde decidiu, há pouco mais de um mês, por adotar novos planos e estratégias, incluindo cinco resoluções para melhorar os sistemas de saúde em todo o mundo. Os representantes dos Estados-Membros da Organização Mundial de Saúde (OMS), de organizações não-governamentais e da sociedade civil estiveram reunidos durante oito dias em Genebra (Suíça) para elaborar resoluções e decisões que vão guiar o trabalho da Organização para atender às questões prioritárias da saúde mundial.


 

De acordo com Luiz Augusto Facchini, ex-presidente da Abrasco, que esteve presente durante o evento, a maior preocupação dos dirigentes da OMS e dos participantes da 66ª WHA foi referente à crise financeira e à chamada reforma da OMS. “Há uma percepção de que a influência da OMS em saúde é cada vez menor, especialmente nos países em desenvolvimento, que estão atrelados ao Banco Mundial, FMI e países ricos. Os países ricos, em crise, já não contribuem financeiramente como de costume para a manutenção da OMS. Assim, o problema se agrava. Muitos funcionários estão se aposentando e os consultores não tem seus contratos renovados. Tudo isso contribui para o enfraquecimento da instituição e para sua dependência ainda maior dos países ricos”, ressaltou.

 

 

Leia aqui o relatório das reuniões da World Federation of Public Health Association com participação da Abrasco

 

 

A ABRASCO esteve representada por seu conselheiro e ex-presidente Luiz Augusto Facchini nas reuniões promovidas pela World Federation of Public Health Association (WFPHA) em Genebra em fins de maio do corrente ano. Membro do Governing Council (Conselho Gestor), representando a ABRASCO na região das Américas, Facchini participou da oficina de planejamento estratégico da WFPHA nos dias 15 e 16 de maio. Também participou da reunião do Governing Council no dia 18 de maio e da assembleia geral da entidade no dia 19 de maio, que aprovaram as questões e os temas discutidos na reunião de planejamento estratégico.

 


A discussão considerou o quinquênio de 2013 a 2017, ano em que a WFPHA comemora seu 50º aniversário de fundação. Os debates abordaram as conquistas e avanços nos últimos cinco anos, os desafios a serem enfrentados, a visão, os valores e a missão da entidade.

 

Dentre os temas discutidos, o presidente James Chauvin destacou a necessidade de viabilizar o pleno funcionamento da coordenação executiva da WFPHA em Genebra e de seus grupos de trabalho. Estas questões foram consideradas essenciais pelos participantes para destacar a liderança mundial da entidade e sua sustentabilidade. Igualmente, para fortalecer a influência regional e nacional das associações de saúde pública e lutar por melhorias nas práticas de saúde pública  O 14º. Congresso Mundial de Saúde ocorrerá em Calcutá, Índia em 2015 com um intervalo trienal em relação aos congressos anteriores. Entretanto, o 15º. Congresso será realizado em 2017 devido à celebração do 50º aniversário da entidade.

 


A filiação de mais de 20 associações de saúde pública à WFPHA e o fortalecimento da atuação das associações nacionais foram igualmente destaques na discussão. Na atualidade, as associações nacionais estão presentes em pelo menos 80 países e há uma tendência de expansão das entidades de saúde pública em âmbito mundial.

 

A organização e a ampliação de redes de cooperação nas grandes regiões do mundo foram reconhecidas como estratégia relevante para reforçar a atuação das associações nacionais e da WFPHA. Além disso, mais de 30 associações nacionais referiram exemplos de utilização de conhecimentos de saúde pública na formulação e avaliação das políticas de saúde. Também houve aprovação de filiações individuais à WFPHA, à semelhança do que ocorre nas entidades nacionais e em muitas entidades internacionais.

 


Houve consenso sobre a necessidade de ampliar a liderança da WFPHA para que a saúde pública torne-se efetivamente prioridade em todos os países. Os meios para isso incluem o fortalecimento dos vínculos com as entidades nacionais afiliadas à WFPHA, a diversificação das fontes de financiamento e apoio da entidade, as alianças com outras entidades e instituições sobre temas de saúde pública de interesse comum e a renovação do plano de ação trienal com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse plano é estratégico para fortalecer a representação da WFPHA em fóruns internacionais da OMS, como por exemplo, a Assembleia Mundial da Saúde. 

 

 

O aprofundamento do debate sobre cobertura universal de saúde e sistemas universais de saúde foi identificado como central para a atuação da WFPHA. Igualmente, a ênfase excessiva na medicalização e no tratamento farmacêutico dos problemas de saúde, como por exemplo, os agravos crônicos não transmissíveis, foi considerada central para o debate na WFPHA, em seus eventos e intervenções políticas e de suas associações filiadas.  

 


Também houve preocupação em valorizar a gestão e o compartilhamento do conhecimento e em fortalecer a participação da sociedade civil em decisões no setor saúde. As estratégias de comunicação, através do uso efetivo de mídias sociais, grupos de discussão e publicações online, foram consideradas essenciais para esse conjunto de temas e iniciativas.

 


As ações da WFPHA devem articular as questões de formulação e avaliação de políticas de saúde e de produção de conhecimento com a formação e a prática profissional. Fomentar bolsas de estudo que oportunizem o intercâmbio internacional de estudantes de saúde pública com grupos de pesquisa de excelência, espaços de formulação de políticas e de gestão de serviços de saúde.

 

A articulação e as parcerias com instituições governamentais e de fomento científico nacionais e internacionais serão essenciais para viabilizar essa proposta. Houve reconhecimento de que a definição de um modelo teórico que oriente um sistema de “acreditação” de cursos e programas em saúde pública de alta qualidade e relevância social pode ter um papel crucial para estimular a cooperação internacional e a liderança da WFPHA na formação em saúde pública.


A percepção dos participantes é de que as iniciativas e diretrizes aprovadas fortalecem a capacidade de interlocução e representação da WFPHA.  Em síntese, agora é tempo de ação!


 

Comments

comments

Deixe uma resposta