Facchini para Al Jazeera: “Cubanos cumpriram papel crucial no SUS”

 

Luiz Augusto Facchini, presidente da Abrasco (2009 – 2012) e coordenador da Rede APS,  participou de uma discussão sobre a saída dos médicos cubanos do Programa Mais Médicos para o Brasil, na internacional Al Jazeera. A conversa ao vivo aconteceu na terça-feira (4/12), e, além de Facchini, participaram o médico Paulo Abati – também do Brasil, a jornalista Nora Gámez Torres e o professor Arturo Lopez-Levy – ambos moradores dos Estados Unidos.

Para o abrasquiano, a entrevistadora Malika Bilal perguntou, inicialmente, sobre as condições de “trabalho escravo” que, segundo declarações do presidente eleito – Jair Bolsonaro – os cubanos estariam submetidos: “Temos muitos problemas com trabalho escravo no Brasil – trabalho infantil, trabalho forçado na área rural, mas os médicos cubanos não eram escravos. Era uma cooperação entre países, e eu penso que todas as regras eram respeitadas no acordo firmado entre Brasil, Cuba e a OPAS”, reforça Luiz.

» Nota Abrasco sobre a saída dos médicos cubanos do Mais Médicos

Facchini também foi questionado sobre a dificuldade do Brasil de encontrar médicos brasileiros que atuem nas zonas interioranas, como reservas indígenas e regiões ribeirinhas, e periferias de grandes centros : “Os médicos cubanos cumpriram um papel crucial no nosso Sistema Único de Saúde, melhorando o acesso às consultas médicas, aos medicamentos, diminuindo a necessidade de encaminhar usuários para especialistas – especialmente nas áreas mais remotas e pobres. Será muito difícil preencher todas as vagas rapidamente, só com os médicos brasileiros. Nós precisamos melhorar a qualidade da Atenção Primária em Saúde no Brasil , colocar em linha mais programas médicos, melhorando os currículos das faculdades de medicina, aprimorando as residências em Saúde da Família”.

Assista, no vídeo acima, ao debate completo. 

Comments

comments

Deixe uma resposta