Gastão Wagner fala sobre o uso do larvicida e a microcefalia


A polêmica sobre o uso de larvicida no combate ao mosquito Aedes aegypti ganhou um novo capítulo: a Associação Brasileira de Saúde Coletiva  disse que foi mal interpretada quando alertou para os riscos da aplicação do produto químico em água potável. A entidade negou ter feito relação entre inseticida e microcefalia.

Sobre o assunto, o  presidente da Abrasco falou nesta segunda-feira, 15 de fevereiro, ao Jornal da Band – ‘Apesar da utilização aprovada no país, estes produtos trazem doenças, como o câncer.Ao encontrar um criadouro de mosquito, não se deve colocar um larvicida,e sim acabar com este criadouro!’ – alerta Gastão Wagner.

Confira a reportagem na íntegra: http://video29.mais.uol.com.br/15769962.mp4?ver=1&r=http://mais.uol.com.br

Comments

comments

4 comentários sobre “Gastão Wagner fala sobre o uso do larvicida e a microcefalia

  1. Greetings ABRASCO,

    great work!

    eu gostaria de parabenizá-los por seu trabalho dedicado e lucido — maravilhoso…

    deparei-me com o seu trabalho fazendo a minha própria investigação sobre a súbita propaganda do surto de pandemia ligada ao Zika virus, se espalhando como fogo na palha, como de costume

    minha breve pesquisa apontou para o que eu chamo de ‘sopa quimica’ (vacinas, agrotoxicos , interesses conflitantes entre big pharma, big agrobusinesses and as varias entidades governamentais envolvidas no Brasil e fora do Brasil WHO, CDC, FDA, etc)

    e as consequencias devastadoras p/ o o meio ambiente em geral e, em particular p/ ass pessoas inocentes, desprotegidas , forçados a viver nesta ‘sopa’, principalmente onde esta a concentracao maior do problema atualmente

    gostaria de ver grande supporte p/ adocao das 12 Medidas sugeridas na sua Nota Tecnica de 2 de Fevereiro de 2016.

    compartilho aqui o link para newsletter, a qual acabei de receber com excitada anticipacao, de Dr. Mercola (www.mercola.com) – newsletter Feb 16, 2016, que habilmente e coerentemente coloca a ‘sopa quimica’ numa perspectiva irrefutavel

    alem disso, corrobora com a postura e apresentacao da Abrasco

    http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2016/02/16/zika-virus.aspx?e_cid=20160216Z1_DNL_art_1&utm_source=dnl&utm_medium=email&utm_content=art1&utm_campaign=20160216Z1&et_cid=DM98106&et_rid=1360733421

    mais do que nunca acredito que precisamos nos unir, nao importa nossa posicao geografica, em reverencia pela harmonia e abundancia na natureza que nos contem

    estar engajados em comunidade compartilhando e evoluindo juntos, como no modelo da Permacultura , um modelo que respeito; acredito pode facilitar de uma maneira simples e inspiradora

    finalmente, me permitam compartilhar esta passagem que me inspira na jornada , by Margaret Mead:

    “never doubt that a small group of thoughtful, committed citizens can change the world; indeed, it’s the only thing that ever has”

    in kind gratitude
    may God protect you and your work
    M

  2. Ai você lê o ultimo boletim do Governo Federal de casos confirmados e suspeitas de microcefalia e chega a conclusão que o mosquito Aedes Aegypti presente no Nordeste apresenta algo completamente diferenciado das demais regiões 82% das suspeitas e das confirmações estão somente no Nordeste. E querem que eu acredite que é só o mosquito…

    http://www.brasil.gov.br/saude/2016/02/brasil-tem-3-935-casos-de-microcefalia-sob-investigacao

    Você lê o ultimo da Colombia onde apresentam 5.100 gestantes com suspeita de Zika e ainda (graças a Deus) nenhuma malformação ligada a microcefalia.

    http://www.ins.gov.co/boletin-epidemiologico/Boletn%20Epidemiolgico/2016%20Boletin%20epidemiologico%20semana%205.pdf

    Você resolve pesquisar sobre casos de microcefalia e outros tipos de malformação fetal e descobre que os EUA é o campeão em casos de microcefalia no mundo (teve recente 1 caso de Zika confirmado, salvo engano de uma Brasileira que foi para lá)… A American Academy of Neurology estimou em 2009 que 25.000 crianças nascem com microcefalia nos EUA todo ano.

    https://www.aan.com/PressRoom/home/GetDigitalAsset/8479

    Fontes do governo: 2 bebês a cada 10.000 nascimentos ou 12 bebes a cada 10.000 nascimentos nascem com microcefalia nos EUA

    http://www.cdc.gov/ncbddd/birthdefects/microcephaly.html

    3.9 milhões de nascimentos em 2013

    http://www.cdc.gov/nchs/fastats/births.htm

    Você pesquisa artigos academicos sobre uso de pesticida nos EUA e descobre que 1 a cada 28 crianças nasce em solo americano com alguma malformação.

    https://www.ruor.uottawa.ca/handle/10393/27466

    Na Nova Zelandia não tem estudos com uso de pesticidas em água para consumo.

    https://www.researchgate.net/profile/Maureen_OCallaghan/publication/268395643_REPORT_FOR_THE_MINISTRY_OF_HEALTH_Environmental_and_health_impacts_of_the_insect_juvenile_hormone_analogue_S-methoprene/links/54f4b88d0cf2f28c13624df4.pdf

    Você pesquisa sobre uso de pesticidas por alto em Pernambuco e acha artigos acadêmicos no próprio estado falando de uso de pesticidas que não são nem aprovados

    http://www.itep.br/mestrado/dissertacoes/2013/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Adson%20Final.pdf

    Você entra no site da EPA United States Environmental Protection Agency e descobre que de fato não há avaliação de Larvicidas como pyriproxyfen que o Brasil começou a usar e seus efeitos a saúde humana e sim, digamos testes de laboratórios. Claro, não é um medicamento e suas reações só apareceram com o tempo.

    http://www.epa.gov/sites/production/files/2015-06/documents/pyriproxyfen-129032_2015-06-29_txr0057140.pdf

    Você vê que em site do governo, recomendando o uso do Larvicida considerando o volume do reservatório (mesmo vazio) e não o volume de litros ocupados, porque o teste em laboratórios, deu toxidade baixa. Quando no manual de uso do mesmo, fala em litros de água.

    http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/julho/15/Instru—-es-para-uso-de-pyriproxifen-maio-2014.pdf

    manual
    http://sumivector.com/sites/default/files/site-content/pdf/Sumilarv-informacao-2012.pdf

    Por fim acho essa reportagem de 2015 da região de Pernambuco de como estava a água para consumo entregue pela Compensa nas casas do cidadão pernambucano.

    http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2015/07/03/agua-suja-assusta-moradores-do-recife-188545.php

    Outros

    http://europepmc.org/abstract/med/12561703

    http://www.jstor.org/stable/40965799?seq=1#page_scan_tab_contents

    http://journals.lww.com/epidem/Citation/1995/01000/PESTICIDES_AND_BIRTH_DEFECTS_.3.aspx

    http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00039896.1996.9935986

    Não pesquisei no EPA a classificação do pesticida Malathion citado também pela Abrasco.

    O papel da FIOCRUZ não é descartar qualquer hipotese levantada e sim ir em busca de evidencias, até daquelas que ela anda descartando, porque confiar nos órgãos de regulação, ou somente em estudos sobre qualquer assunto, direi para que então temos pesquisadores na FIOCRUZ.
    Que continuem pesquisando o mosquito, mas que pesquisem e se aprofundem em outras questões.

    Continua estranho a confirmação de transmissão de Zika, via sexo, saliva e outra forma de contagio que não seja o tal mosquito.

    Para mim a hipotese mais forte continua sendo o uso de pesticidas na região!!!!

Deixe uma resposta