Alguém lembrará do SUS na Olimpíada de 2016? artigo de Claudia Colucci


Florianópolis tornou-se a primeira capital com 100% de cobertura de atenção primária com a Estratégia de Saúde da Família. Rio de Janeiro e Curitiba também estão no mesmo caminho. As experiências exitosas, apresentadas no 13º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, mostram que é possível colocar em prática um modelo de assistência à saúde que, na vasta maioria dos municípios brasileiros, só existe no papel.

Em Floripa, todo usuário do SUS precisa entrar na rede por meio do seu médico de família e comunidade para depois ter acesso aos outros níveis do sistema. O centro de saúde é a porta de entrada do atendimento, como deveria ser desde que o SUS foi criado. Só a partir dali é que o paciente tem uma consulta marcada com um especialista, por exemplo.

Uma das ferramentas que ajudaram no sucesso de Florianópolis é o prontuário eletrônico, integrado a todas as equipes, tanto na atenção básica como nas policlínicas e unidades de pronto atendimento. Isso faz com que todo o histórico do paciente não seja perdido.

O Rio de Janeiro também passa por uma grande reforma na atenção primária, depois vivenciar a falência do seu sistema municipal de saúde em 2008, com a maior epidemia de dengue da história. Os médicos de família também são os pilares desse novo sistema. Os profissionais têm uma lista de pacientes da qual são responsáveis, e o paciente sabe quem é a equipe responsável pelo seu cuidado. Sempre é a mesma equipe que cuida da mesma família.

Em Curitiba, o foco é a busca por uma atenção primária à saúde acessível e resolutiva para que as unidades de pronto-atendimento não fiquem sobrecarregadas. Todos esses municípios estão atentos a modelos internacionais, como o inglês e o canadense. O Canadá, por exemplo, tem residência médica em medicina de família e comunidade desde 1954.

“O médico de família e comunidade é verdadeiramente valorizado pelos pacientes e pelos fundadores do nosso sistema de saúde”, disse o médico canadense Jamie Meuser, que esteve no congresso de medicina de família, que terminou domingo (12) em Natal (RN).

Esse é o ponto. O Brasil precisa, verdadeiramente, valorizar o médico de família e comunidade para conseguir melhorias no seu modelo de assistência à saúde. Foi assim nos países que possuem sistemas universais de saúde. É assim que se consegue uma atenção básica mais resolutiva e um paciente sendo tratado da forma e no tempo que precisa e protegido de intervenções desnecessárias.

Em 2012, na abertura da Olimpíada de Londres, o logotipo do sistema de saúde inglês foi hasteado como um dos símbolos nacionais. E o nosso SUS? Será que alguém vai se lembrar dele com orgulho na Olimpíada de 2016?

(Artigo publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo, em 14 de julho de 2015)

 

Comments

comments

Deixe uma resposta