Mário Scheffer discute SUS em evento sobre eleições

Este slideshow necessita de JavaScript.

Relevância; equilíbrio; igualdade; aceitação, e abrangência. Estas cinco ideias sustentaram a defesa estratégica do Sistema Único de Saúde – SUS – na apresentação de Mário Scheffer no debate sobre saúde dentro do ciclo “Eleições 2018 – propostas para o Brasil”, promovido pelo Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP). Do último dia de agosto e ao longo do mês de setembro, a instituição reuniu grandes quadros docentes da USP e pensadores de outras instituições para fomentar o debate e ajudar o país a superar expressivos desafios nas áreas da educação; economia; ciência, tecnologia e inovação e gestão pública, além da saúde.

+ Acesse aqui a apresentação de Mário Scheffer no ciclo “Eleições 2018”, em PDF

A sessão aconteceu na quinta-feira, 28 de setembro, e reuniu o vice-presidente da Abrasco e professor da Faculdade de Medicina da Universidade (FMUSP) e Drauzio Varella, médico formado pela USP e ex-diretor do serviço de Imunologia do Hospital do Câncer. A mediação foi de José Eduardo Krieger, também professor da FMUSP e ex-pró-reitor de Pesquisa da Universidade. Na plateia, outros abrasquianos e abrasquianas, intelectuais da saúde e docentes, como Naomar de Almeida Filho, José da Rocha Carvalheiro, Amelia Cohn, Gonzalo Vecina, Maria Maeno, entre outros. Em breve, o vídeo estará disponível na midiateca do IEA-USP.

No debate, Scheffer ressaltou que não podemos desistir do SUS universal, patrimônio compartilhado coletivamente e expressão maior da nossa democracia, que precisa ser bem cuidado para ser de fato motivo de orgulho nacional por suas características: ser acessível, não discriminatório e financiado pela solidariedade nacional. “A iniciativa do IEA é relevante pois aproxima a Universidade dos problemas reais e a saúde é, de longe, o principal motivo de preocupação de brasileiras e brasileiros. Seja na avaliação das propostas de saúde dos candidatos, seja na discussão de ideias para os próximos governos, a academia e a Saúde Coletiva não podem se omitir no debate sobre saúde nessas eleições”, avalia Scheffer, autor junto com as abrasquianas Lígia Bahia e Ialê Falleros do estudo “A saúde nos programas dos candidatos à presidência da República do Brasil em 2018”.

Assista à integra do debate abaixo ou acesse o canal do IEA-USP no YouTube:

Comments

comments

Deixe uma resposta