Abrasquianos comentam Projeto Lean e as filas nos hospitais

Fila de usuários do SUS à espera de senha para marcação de exames em hospital público do Rio Foto: Gabriel P.

Um projeto realizado em parceria entre o Ministério da Saúde e o Hospital Sírio-Libanês promete reduzir as filas de espera nos hospitais brasileiros. É o chamado Projeto Lean, que já completa dois anos de existência, realizando nesse período de tempo, de acordo com a Agência Saúde, a redução de cerca de dois dias de internação e quase quatro horas do tempo de espera nos pronto-socorros.

Até agora, foram 20 hospitais que participaram do projeto. Ele conta com duas etapas, que envolvem a detecção das causas para os atrasos nas filas, a capacitação dos profissionais e o monitoramento posterior dos capacitados pela equipe do Hospital Sírio-Libanês. O Ministério da Saúde prevê que, até 2020, cem hospitais participarão do Projeto Lean.

Mas quais são as aplicações reais desse projeto para o sistema de saúde brasileiro? O diretor da Faculdade de Saúde Pública da USP e abrasquiano da Comissão de Política da Abrasco, professor Oswaldo Yoshimi Tanaka, responde a essa questão e dá sua opinião sobre o Projeto Lean. Tanaka, assim como Marília Louvison, da diretoria da Abrasco e professora do Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP, e também entrevistada, acredita que o contingente que sobra dessa operação também precisa de atenção.

Eles afirmam que pacientes com casos mais simples não têm outra alternativa a não ser solicitar atendimento dos hospitais, aumentando as filas de espera. Os especialistas acreditam que isso não seja por falta de informação por parte dos pacientes, mas sim porque o sistema de saúde brasileiro possui falhas estruturais que negligenciam essas pessoas que usam os hospitais públicos.

Ouça a reportagem completa no áudio abaixo. A reportagem foi originalmente publicada no Jornal da USP em 11 de outubro.

Comments

comments

Deixe uma resposta