Impactos da ditadura civil-militar na saúde em debate na USP


No dia 11 de dezembro, a partir das 13h30, a Comissão da Verdade da Saúde, a APSP, a Comissão da Verdade “Rubens Paiva” e ALESP realizam audiência conjunta para debater os Impactos da ditadura civil-militar na saúde. O evento vai acontecer na Faculdade de Saúde Pública, na Sala Paula Souza, da USP. Segundo Carlos Botazzo, professor do Departamento de Prática de Saúde Pública da FSP/USP, a ditadura significou, entre outros produtos sociais e políticos ruins, o início da mercantilização da saúde. “Além disso, o arrocho salarial, a repressão à livre manifestação e ao direito de organização e associação, a instauração pública do medo e o assassinato de opositores”, ressaltou.

Para Botazzo, nada disso contribuiu para que o brasileiro tivesse alguma melhora em sua condição de vida e situação de saúde no período da ditadura. “Precisamos falar disso, e precisamos falar da fome daquele tempo no sertão e no agreste, no extermínio genocida de povos indígenas, na institucionalização dos manicômios, no desmatamento e agravamento da condição ambiental, na morte de trabalhadores e nas epidemias. Além, claro, do roubo, da corrupção e da dilapidação do patrimônio público, heranças malditas de um tempo que às vezes parece não querer ir-se de si mesmo e virar a página do passado”, pontuou.

PROGRAME-SE
Impactos da ditadura civil-militar na saúde
11 de dezembro de 2014 – às 13h30
Faculdade de Saúde Pública, na Sala Paula Souza, da USP

Comments

comments

Deixe uma resposta