Estudantes de Saúde Coletiva da região Sul realizam encontro regional


Realizado nas últimas quinta e sexta-feiras (03 e 04 de novembro), a quarta edição do Encontro Regional de Saúde Coletiva – Região Sul (4º ERESC) reuniu em Porto Alegre estudantes da graduação em Saúde Coletiva da UNILA e UFRGS.

Nesse ano, os temas dos debates circundaram a defesa do SUS. Durante os dois dias a programação abordou a importância da graduação em Saúde Coletiva para a defesa e fortalecimento do Sistema de saúde brasileiro, debateu as diretrizes curriculares e temas da conjuntura nacional, como o projeto de emenda constitucional 241 (PEC241 – PEC 55), a importância da diversidade no espaço universitário e as experiências exitosas desenvolvidas pelas universidades na formação do/a sanitarista.

“O ERESC da região Sul é indispensável para o fortalecimento do movimento estudantil, para amadurecimento da graduação em Saúde Coletiva e para o estabelecimento das pautas prioritárias e emergentes do curso”, destacou Alcides Miranda, professor da UFRGS e coordenador da Comissão de Política, Planejamento e Gestão (CPPG/Abrasco), na mesa de abertura.

Os debates movimentaram as perspectivas estudantis. Para Luana Martins, estudante da UFRGS e uma das organizadoras, o ERESC consolidou-se um espaço para a troca de saberes e possíveis melhorias para os cursos, considerando o atual momento de incertezas. Já a estudante Deise Ronchi considera que um dos diferenciais desse evento foi a discussão da atual PEC 241, o debate sobre estratégias para a manutenção dos direitos sociais e a garantida de uma universidade pública e de qualidade. Ambas ponderaram que a participação presencial de estudantes da UFPR e UNILA ficou prejudicada nesse momento, mas que há muitos esforços para que as conexões continuem.

Na sexta-feira, um dos temas em debate foi abordagens inovadoras envolvendo a graduação em Saúde Coletiva em espaços do SUS. Houve ainda a sessão “Saúde Coletiva Sai do Armário”, na qual foram debatidos temas como a diversidade sexual, reforçando a luta pelos direitos e equidade. O encerramento teve como programação cultural a apresentação do monólogo “Cacos de Espelho – Orlando Nunca Mais” do diretor Plínio Mosca.

“Embora sentida a ausência dos estudantes da UFPR, o evento foi um importante esforço para a reflexão dos passos de continuidade do fortalecimento da graduação no país e as possibilidades de integração”, avalia Daniel Canavese, professor do curso da UFRGS e novo representante docente do Fórum de Graduação em Saúde Coletiva (FGSC). Os estudantes das três universidades continuarão com atividades, elaborando em conjunto uma carta com seus apontamentos que será enviada aos organizadores do Encontro Nacional (Enesc).

Comments

comments

Deixe uma resposta