Resiliência e relevância da Declaração Universal dos Direitos Humanos após 70 anos em um momento de fechamento de fronteiras e do espaço cívico

Artigo 30 – Artista: Marco De Angelis – Cartoon Movement – UN Human Rights – Official Selection

Declaração dos Relatores Especiais e Grupos de Trabalho do Conselho de Direitos Humanos da ONU por ocasião do Dia dos Direitos Humanos, 10 de dezembro de 2018

A resiliência e relevância da Declaração Universal dos Direitos Humanos após 70 anos em um momento de fechamento de fronteiras e do espaço cívico

Os Direitos Humanos são universais, indivisíveis e interdependentes.

Numa época em que o mundo marca o 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e no momento em que os direitos humanos e os fundamentos do sistema de proteção dos direitos humanos estão sob sérias ameaças, nós, os Relatores Especiais Independentes e os Grupos de Trabalho que compõem o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas aproveitam a ocasião para ressaltar a centralidade da Declaração Universal dos Direitos Humanos no sistema internacional de proteção dos direitos humanos. Afirmamos ainda que a Declaração Universal dos Direitos Humanos é a pedra angular do respeito pelos direitos sociais, econômicos, culturais, civis e políticos garantidos a todos os indivíduos e todos os povos “sem distinção de qualquer espécie, como raça, cor, sexo, língua. religião, política ou outra opinião, origem nacional ou social, propriedade, nascimento ou outro status ”na busca da paz, segurança e desenvolvimento sustentável para toda a humanidade.

+ Acesse o Especial Abrasco 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, que é a espinha dorsal do sistema internacional de direitos humanos, surgiu em 1948, apenas três anos após o fim da Segunda Guerra Mundial. Naquela época, os líderes visionários do mundo tinham a clareza de que a humanidade precisava de um compromisso duradouro com a proteção da dignidade humana, para que o mundo não voltasse à destruição humana das guerras anteriores que a ONU se comprometera a evitar.

Após a adoção da Declaração Universal, o mundo testemunhou um desenvolvimento exponencial dos padrões internacionais de direitos humanos que elaboraram os regimes de proteção de indivíduos e povos em todo o mundo. Ainda hoje estamos testemunhando guerras, conflitos e violações da dignidade humana diariamente em diferentes partes do mundo. O respeito pelos direitos humanos, por vezes, tem sido mais respeitado da boca para fora do que agindo diretamente. Alguns Estados e líderes políticos se envolveram em violações arbitrárias e flagrantes dos direitos humanos. A memória recente está repleta de múltiplos exemplos de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade. A impunidade reina suprema em muitos países que passam por conflitos ou convulsões políticas, encorajada por objetivos nacionais estreitos, geopolítica e impasse político no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O recente surto de migração forçada, resultado de vários conflitos, má gestão econômica, pobreza, opressão e violência, precipitou um surto de nacionalismo e xenofobia nos países que receberam pedidos de asilo, o que está revertendo os ganhos da cooperação humanitária internacional dos últimos 70 anos. Enfrentamos grandes desafios diante da migração em massa e do deslocamento global de pessoas. Nações estão fechando suas fronteiras aos estrangeiros vítimas de opressão e conflito. Dentro dos Estados, o espaço cívico está encolhendo em detrimento do exercício das liberdades fundamentais de expressão, associação e reunião. Muitos Estados não tratam todos os povos com a mesma dignidade e igualdade incorporadas na Declaração Universal. Hoje, o mundo continua sendo um lugar onde o conflito, a instabilidade e a desigualdade estão se tornando cada vez mais a ordem do dia.

O impacto da mudança climática leva a impactos adversos sobre os direitos humanos nas pessoas em todo o mundo, desde a escassez de alimentos até o encolhimento das massas de terra. Nós vemos grupos minoritários e outros desprivilegiados e excluídos da participação pública. Os defensores dos direitos humanos são frequentemente processados e presos quando tentam defender os direitos desses grupos. Muitos deles, incluindo mulheres defensoras dos direitos humanos, perderam suas vidas, ou são demonizados, na busca de direitos humanos para todos.

Embora o sistema internacional de direitos humanos esteja sob crescente pressão, ele ainda continua a mostrar grande resiliência para suportar os inúmeros desafios e ajudar a guiar as nações e as pessoas rumo ao desenvolvimento sustentável e à paz.

Hoje celebramos a resiliência do sistema de direitos humanos e as contribuições que a Declaração Universal fez para o avanço do progresso humano, paz e desenvolvimento globalmente. Nos últimos 70 anos, os direitos humanos tornaram-se parte integrante das obrigações que os governos devem para com seu povo. A participação política e a representação das mulheres aumentaram significativamente. A proteção fornecida pelo sistema internacional de direitos humanos aumentou, inclusive abordando questões novas e emergentes de direitos humanos e demonstrando sua capacidade de evoluir e responder às necessidades e expectativas das pessoas.

Temos acesso mais rápido e fácil a mais informações sobre as melhores práticas, bem como casos de graves violações dos direitos humanos, graças ao avanço tecnológico e à promoção dos direitos de acesso a essas informações e dados. A transparência ajuda as pessoas a esclarecerem as violações internacionais de direitos humanos e fornece relatórios significativos sobre essas práticas perpetuadas por muitos Estados. As nações estão avançando para combater a escravidão e o tráfico de seres humanos. Estes são apenas alguns exemplos de até que ponto chegamos através da ambição, cooperação e compromisso global com os direitos humanos.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável também incorporam a natureza capacitadora dos direitos humanos. Com o objetivo de não deixar ninguém para trás, a ênfase no fornecimento de água potável, educação de qualidade, cuidados de saúde e comunidades pacíficas são exemplos de como os direitos humanos permitem a dignidade humana e o desenvolvimento humano. Como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável demonstram, os direitos humanos são interligados e indivisíveis. Para não deixar ninguém para trás, precisamos abraçar uma visão holística do desenvolvimento que congrega os direitos.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável também nos lembram de um conceito-chave na Declaração Universal – que direitos devem ser aplicados igualmente a todas as pessoas, incluindo aquelas em situação de vulnerabilidade. Os princípios de igualdade, não discriminação e participação significativa asseguram que os direitos sejam para todas as pessoas.

Os direitos humanos permanecem centrais tanto para o desenvolvimento sustentável quanto para a manutenção da paz e segurança. É a inclusão de todas as pessoas, a promoção da dignidade e capacidade de toda a humanidade que nos permite promover a paz sustentável. A Declaração Universal nasceu do conflito e foi moldada para perpetuar a paz duradoura. É importante refletir sobre a resiliência dessa mensagem e a necessidade de cada pessoa se comprometer novamente com a Declaração Universal por mais 70 anos.

Ao comemorar o 70º aniversário da Declaração Universal, nós, os Peritos Independentes, Relatores Especiais e Grupos de Trabalho do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, nos comprometemos a continuar promovendo os valores, princípios e padrões consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e todo o corpo de instrumentos internacionais de direitos humanos, e exortamos a comunidade internacional a se juntar a nós nesse objetivo nobre.

Publicação original: https://www.ohchr.org/EN/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=23991&LangID=E

Comments

comments

Deixe uma resposta