Viola e forró animam noite cultural do 2º Sibsa


Após um dia de intensos debates, é hora de alegria. Os participantes do 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente dançaram, ouviram boa música e provaram bons petiscos na noite de segunda-feira, 20 de outubro. A atividade cultural do Simpósio promoveu uma ocupação cultural na noite belo horizontina  n’O Balaio de Gato, misto de loja, espaço cultural e bar no Mercado Distrital do Cruzeiro.

A programação trouxe duas vertentes musicais que puseram todo mundo para dançar. Violeiro das Minas Gerais e ligado desde nascença às lutas sociais, Pereira da Viola apresentou um repertório vasto, do “Bolero”, de Ravel, até músicas do seu último trabalho Pote, além de modinhas, modas de viola e músicas do cancioneiro popular. “A arte passa pelo sentimento do coração. Essas denominações são dadas pelos estudiosos. Existem dois tipos de música: a ruim e a boa. O resto é invenção”, ri mineiramente um dos maiores nomes da Viola de 10 cordas do país.

Depois foi a vez do forró pé de serra arrepiar o salão com o Trio Gandaiêra. Formado pelos Daniel Luis de Gouvêa, Danilo Alves e Cristiano Brandão, que de tanto admirarem o ritmo, resolveram se juntar para tocar profissionalmente. E põe tempo de estrada. “Em quinze anos de carreira, nunca saímos desse ponto que escolhemos. Para a gente é uma alegria muito grande dançar para o povo dançar”, explicou o sanfoneiro Danilo Alves. Para ele, o forró é um gênero universal. “Quando junta a batida da zabumba com a sanfona e o triângulo gera uma alegria contagiante nas pessoas e, na hora que junta todo mundo, as pessoas interagem.”

Tem ativista no palco: A noite correu bonita entre o balanço do forró e a ciranda junina e os participantes do 2º Sibsa se empolgaram e deram suas palhinhas no palco. Rafael Gonçalves, consultor técnico em educação popular em saúde, se animou, pegou um violão emprestado e tocou La Belle de Jour e outros clássicos de Alceu Valença. “A arte, a música e a poesia são ferramentas políticas para a educação popular. São a partir dessas referências que fortalecemos o SUS nas comunidades, na Atenção Básica e na Alta Complexidade”, disparou  o ativista pernambucano mais conhecido como Rafa Energia.

Outro que também fez bonito foi Alan Tygel, militante do Fórum Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida, que cantou o Xote Agroecológico, adaptação do famoso Xote Ecológico de Luiz Gonzaga e AguinaldoBatista composta pelo companheiro Igor Conde e que traz um alento a todos que acreditam num futuro agroecológico. Conheça aqui a versão numa filmagem realizada na caravana agroecológica do Rio de Janeiro de 2013.

Comments

comments

Deixe uma resposta