INACEITÁVEL!


Em entrevista concedida ao jornal Folha de S. Paulo publicada em 17 de maio de 2016, o atual Ministro da Saúde, revelou com toda a clareza o projeto político do governo provisório de Michel Temer com relação à Saúde, explicitando que “o país precisa rever o direito universal à saúde”.

Suas palavras, fundamentadas em um discurso neoliberal que prevê a redução do papel do Estado na economia e na garantia dos direitos sociais, causa indignação a mais de 200 milhões de brasileiros usuários do Sistema Único de Saúde, 150 milhões dos quais dependem exclusivamente desse sistema, que também atende os 45 milhões que pagam planos de saúde principalmente quando estes não garantem a assistência em casos de urgência e acesso a serviços de alta complexidade.

INDIGNADOS estamos, os 2 milhões de profissionais e trabalhadores do SUS, parte dos quais constituem as 40 mil equipes de Saúde da Família, com cerca de 265 mil Agentes Comunitários de Saúde, milhares de estudantes de cursos de graduação e pós-graduação na área de saúde, milhares de gestores que atuam em mais de cinco mil municípios desse imenso país, lutando cotidianamente para garantir o acesso universal da ações e serviços de saúde.

NÃO ministro, não vamos permitir que rasguem a Constituição Federal de 1988, a Constituição cidadã, que consagrou o Direito à Saúde e o Dever do Estado para com a saúde de todos os brasileiros, inscrevendo o Brasil no rol dos países civilizados. Não podemos permitir o retrocesso. Enfrentamos muitas dificuldades ao longo dos últimos 40 anos. Nossa luta é longa, continua, cotidiana, acontece em cada uma das 400 mil unidades de saúde que compõem o SUS. Acontece em cada sala de aula, em cada Centro de Saúde, em cada Hospital e em cada laboratório do SUS, em cada ambulância do SAMU, em cada posto da Farmácia Popular, em cada visita domiciliar feita pelos Agentes Comunitários ou pelos médicos do programa Mais Médicos!

Somos milhões de trabalhadores, docentes, estudantes militantes da Reforma Sanitária Brasileira que completa, neste ano de 2016, 40 anos de existência, de luta, de mobilização popular e de participação em milhares de Conselhos de Saúde espalhados pelo país. E estamos indignados com as palavras do Ministro. NÃO!.

NÃO aceitamos este retrocesso. Em nome dessa luta contínua, em nome dos companheiros que iniciaram o movimento pela Reforma Sanitária Brasileira (RSB) em pleno governo militar, na luta contra a ditadura, pela democracia e pela Saúde, em nome de todos os trabalhadores da saúde, em nome dos representantes do poder popular nos Conselhos de Saúde, em nome de todos os brasileiros que trabalham todos os dias, pagam seus impostos e sonham com um país melhor, mais justo, menos desigual, mais democrático, mais saudável, não podemos aceitar as palavras do Ministro. NÃO!

Pelo DIREITO UNIVERSAL À SAÚDE!
PELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE!
Pela PARTICIPAÇÃO POPULAR!
Pela REFORMA SANITÁRIA BRASILEIRA!
Resistiremos.

Assinam essa nota:

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO

Associação Brasileira de Saúde Bucal – ABRASBUCO

Associação Brasileira de Saúde Mental – ABRASME

Associação Brasileira da Rede Unida – Rede Unida

Associação Nacional do Ministério Público de Defesa da Saúde – AMPASA

Associação Paulista de Saúde Pública – APSP

Centro Brasileiro de Estudos De Saúde – CEBES

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo – COSEMS/SP

Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca – ENSP/Fiocruz

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP/USP

Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC

Instituto Silvia Lane

Rede de Médicas e Médicos Populares

Sociedade Brasileira De Bioética – SBB

Comments

comments

16 comentários sobre “INACEITÁVEL!

  1. Sou professora da Universidade de Pernambuco e apoio a carta da abrasco contra o desconhecimento do novo Ministro da Saúde sobre o SUS.

    O SUS é do povo e nós lutaremos por ele.

  2. Sou Residente de Saúde Coletiva e estou estarrecida com esse retrocesso que estamos vivendo em nosso país. Não ao retrocesso! É inaceitável esse golpe ao sistema que conquistamos às duras penas.

  3. Sou nutricionista e trabalho em municípios na gestão planejamento direto com a Atenção Básica e em ambulatório sei mto bem das necessidades e frágil do sistema e aí da retroceder.
    Não, sou contra a uma visão contrária de crescimento e desenvolvimento do SUS que temos é a que queremos.

  4. Sou profissional da área da Saude, atuando na Ouvidoria Municipal do SUS.Muito preocupada com a possível perda dos avanços e conquistas que tivemos nesses quase 30 anos do SUS.Apoio integralmente a carta da Abrasco. Não ao Retrocesso!!!

  5. Sou professora da Universidade do Extremo Sul Catarinense, sou contra o retrocesso e a favor do texto do documento da Abrasco. Não dá para admitir a redução dos direitos a saúde garantidos na Constituição Federal de 1988 em detrimento da INCOMPETÊNCIA dos governantes em administrar os recursos públicos. O povo não merece pagar esse preço. É preciso mais humanidade, respeito e competência!

  6. Em nome do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, apoio integralmente a carta da Abrasco que repudia veementemente a tentativa deste governo ilegítimo, em acabar com a maior política social deste País, o Sistema Único de Saúde.
    Não a este governo ilegítimo!
    Não ao retrocesso na saúde!
    Nenhum direito a menos!!
    Não ao golpe!!
    Resistência ao ataque à democracia!!
    Vamos à LUTA!!

  7. Não aceito tamanho absurdo. Sou servidor público da Saúde O SUS não pode ser tratado com descaso. O povo brasileiro não merece ser tão desrespeitado e peder esse direito essencial garantido pela Constituição Federal.
    Digo não ao retrocesso na saúde!

  8. Parabéns a ABRASCO e demais entidades que assinam a nota. No entanto penso que o momento atual requer além do movimento importante de socialização e discussão da temática ações de rua, atos públicos, campanhas mais robustas que possam mobilizar a sociedade civil para as lutas que virão.

  9. Compartilho desta Nota de Repúdio e de defesa do SUS.
    Sou médico pediatra há 36 anos e professor universitário há 10. Militante do movimento da Saúde há cerca de 40 anos, desde os tempos da universidade, no movimento estudantil, REME (Renovação Médica) e militante do processo construtivo do SUS, tendo sido secretário municipal de Saúde, presidente do COSEMS/RN e coordenador de planejamento da SESAP/RN sabendo, portanto, o que nos custou (e ainda tem custado) toda essa luta em prol de um sistema público de saúde
    inclusivo, abrangente e socialmente justo, mesmo
    reconhecendo muitas fragilidades ainda existentes e que terão de ser vencidas. Portanto, não aceito, em nenhuma hipótese, qualquer tentativa de desmonte do SUS, o que representaria um golpe mortal na saúde pública brasileira e a senha para a entrada no País do ‘seguro saúde’ e a sua efetiva privatização.

    NÃO AO DESMANTELAMENTO DO SUS!
    PELA MANUTENÇÃO DO SUS!

  10. Fiquei realmente feliz ao saber da indicação de um Ministério tão importante para um Político do Paraná, fiquei mais satisfeito ainda quando a indicação foi para um engenheiro, pensei agora a coisa vai dar certo os engenheiros têm raciocínio prático e este vai fazer a coisa funcionar, mas qual minha decepção ao ouvir o engenheiro dizer a CF tem que repensar a universalidade do SUS – Caro Ministro não decepcione o Povo que bem ou mal tem sido atendido diuturnamente pelo SUS do Oiapoque ao Chui .
    Vossa Excelência já pensou o que aconteceria ao mundo
    se ficasse um dia sem seguro qual seria a calamidade instaurada, assim o SUS hoje está para todos os brasileiros como um seguro de vida real e palpável que sem ele instalaria-se o caos em toda população brasileira.
    Caro Ministro pense diferente o que é preciso é que haja resolutividade controle e mais cidadania a cada médico quando se trata da parte terapêutica, mas a parte preventiva ela é ótima porque não necessita tanto dos médicos que acham que devem ficar ricos em dez anos de trabalho porque o resto querem ser fazendeiros e ou outras atividades, são os maiores sonegadores de impostos, inciam suas carreiras com o SUS para fazerem a clientela depois quando as tem falam mal do SUS fazem tudo para que não funcione .
    Ministro faça um levantamento de quanto há de materiais cirúrgicos jogados abandonados que não há quem os utilize porque uma clínica X tem e se o do SUS funcionar o seu enferruja porque não haverá cliente a não funcionalidade do SUS em matéria de especialidade e laboratórios é a ganância de quem quer uma fatia do SUS para o seu mercantilismo.
    Sr. Ministro é caro manter o SUS mas pode ser feito com menos dinheiro e mais humanidade.
    Outros já fizeram considerações sobre até onde alcançam os tentáculos do SUS mas esqueceram de mencionar os tentáculos da ganância, do mercantilismo, da corrupção e da falta de amor por aquilo que é mais sagrado aos brasileiros o direito à vida com qualidade que está prevista na CF. Ame o teu país amando o teu povo que clama por soluções prática e nada mirabolantes dê as soluções, pois o SUS ja conquistou o respeito da maioria do povo o que falta é fazer com que este povo saiba usá-lo e respeitá-lo na medida certa.
    Arlindo José |Flores
    Presidente do CMS

  11. Prezados colegas,a luta pelos Direitos a Saúde Pública do povo brasileiro, não podemos em hipótese alguma aceitarmos o curvar -nos a este absurdo retrocessos imposto pelo atual representante da Saúde.
    Na época da Reforma Sanitária do país em plena ditadura militar foi uma grande luta e trabalhos que foram deixadas (os) por vários colegas,hoje o SUS que temos está sendo um modelo para o mundo, principalmente para países vizinhos devemos orgulharmos por essa conquista com a participação plena de profissionais da Saúde Pública,deste país (poderia citar tantos e tantas alguns já nos deixaram)são memorias intocáveis e não podemos curvar-nos simplesmente por poderes, soberbas e ainda se fazem pelos desconhecimentos dos avanços em plena ditadura militar. Na Constituição Federal estabelece o Sistema Único de Saúde—SUS, de caráter público,formado por uma rede de serviços regionalizada, hierarquizada e descentralizada, com direção única em cada esfera de governo, e sob controle dos seus usuários (PARTICIPAÇÃO SOCIAL),a Constituição também legitima o direito de todos sem qualquer discriminação às ações de saúde em todos os níveis, assim como, explicita que o dever de prover o pleno gozo desse direito é responsabilidade do Governo. Os Conselhos formados com a participação plena de Usuários, Governo, Trabalhadores da Saúde.
    A Constituição também legitima o direito de todos sem qualquer discriminação às ações de saúde em todos os níveis, assim como, explicita que o dever de prover
    o pleno gozo desse direito é responsabilidade do Governo, isto é, do poder público (não diz que é Ao B).
    DOUTRINA DO SUS; é bem clara- Universalidade: garantia de atenção à saúde por parte do sistema, a todo e qualquer cidadão.Equidade:É assegurar ações e serviços de todos os níveis de acordo com a complexidade que
    cada caso requeira, more o cidadão onde morar, sem privilégios e sem barreiras- qualquer cidadão é igual perante ao SUS.-INTEGRALIDADE, o reconhecimento na prática dos serviços de que;”O homem é um ser integral, bio-psico-social, e deverá ser atendido com esta visão integral por um sistema de saúde também integral, voltado a promover, proteger e recuperar sua saúde” NÃO PODEMOS BAIXAR A CABEÇA, E SIM ERGUER O MÁXIMO POSSÍVEL. VAMOS A LUTA (APOIO A LUTA) Celina/Baré

Deixe uma resposta