Grandes Debates do 11° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva colocam em perspectiva a saúde e seus desafios


A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) anuncia os primeiros nomes nacionais confirmados no Abrascão 2015, que vai acontecer em Goiânia (GO), entre os dias 28 de julho e 1º de agosto, na Universidade Federal de Goiás (UFG).

Carlos Morel, Cesar Victora, Gastão Wagner, Inês Rugani, Jairnilson Paim e Márcio Pochmann sãos os primeiros nomes confirmados. A ideia dos Grandes Debates é reunir intelectuais da Saúde e de demais áreas para pensar em interconexões, rearranjos e soluções para os desafios da sociedade brasileira que passam diretamente pela saúde.

Os debates serão únicos, sem concorrência com demais atividades da programação, e terão lugar no Auditório do Centro de Cultura e Eventos, em duas faixas de horário.Confira abaixo a programação final e saiba mais um pouco sobre alguns dos debatedores.

GRANDES DEBATES – PROGRAMAÇÃO

Quarta-feira, 29 de Julho, das 18h30 às 20h
Saúde da População Brasileira
Coordenador: João Batista de Deus- – IESA (GO)
Debatedor: Cesar Victora – UFPel (RS)
Debatedor: Jairnilson Silva Paim – ISC/UFBA (BA)
Debatedora: Madel Therezinha Luz – UFF e UFRGS (RJ)

Quinta-feira, 30 de julho
Das 9h às 10h30
Desenvolvimento Socioeconômico, Democracia e Saúde
Coordenador: Maria José Braga (GO)
Debatedor: Carlos Medicis Morel – CDTS/Fiocruz (RJ)
Debatedor: Marcio Pochmann – UNICAMP (SP)
Debatedor: Pedro Célio Borges – UFG (GO) – CEE/Fiocruz (RJ)

Das 18h30 àS 20h
Estado Democrático e Gestão Pública da Saúde
Coordenador: Francisco Itami Campos – Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA. (GO)
Debatedor: André Vianna Dantas – EPSJV/Fiocruz (RJ)
Debatedora: Inês Rugani Ribeiro de Castro – UERJ (RJ)
Debatedor: Gastão Wágner de Souza Campos – UNICAMP (SP)

Sexta-feira, 31 de julho, das 9h às 10h30
A Viabilidade de um Sistema Universal de Saúde no Brasil, Hoje
Coordenador: Fernando Passos Cupertino de Barros – CONASS (GO)
Debatedor: Eduardo Levcovitz – Representante da OPS/OMS no Uruguai (DF)
Debatedor: Maria Lucia Werneck Viana – UFRJ (RJ)
Debatedor: Antônio Ivo de Carvalho – CEE/Fiocruz (RJ)

 

Conheça a biografia de alguns dos debatedores:

Carlos Morel

Médico e biofísico, Carlos Médicis Morel é membro da Academia Brasileira de Ciências. Formou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco. É doutor em Ciências Naturais (biofísica). Seguiu o caminho do estudo e desenvolvimento de um novo método de caracterização por tipagem bioquímica de tripanosomatídeos, em particular aqueles patogênicos para o homem e de maior importância na América Latina, como o Trypanosoma cruzi.

Em 1978, transferiu-se para a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), ocupando os cargos de pesquisador associado e pesquisador titular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), onde dirigiu o Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular (1980-1985 e 1989-1992), desempenhando as funções de diretor do IOC (1985-1989) e vice-presidente de Pesquisa (1985-1990). Presidiu a Fiocruz no período de 1993 a 1997. Ao deixar a presidência da Fiocruz, coordenou o programa especial para pesquisa e treinamento em doenças tropicais da Organização Mundial de Saúde (1998/2004), ali desenvolvendo pesquisas para o tratamento da leishmaniose visceral. Retornando ao Brasil, em 2004, passou a coordenar o Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde, montado pela Fiocruz.

Recebeu diversas comendas e prêmios, como a Ordem Nacional do Mérito Científico, Classe Grã-Cruz; Prêmio Cidade do Rio de Janeiro em Ciência e Tecnologia; Doutor Honoris Causa pela UFPE; “Honorary Fellow” pela Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, Londres; Prêmio Samuel Pessoal da Sociendade Brasileira de Protozoologia; Medalha Jorge Careli de Direitos Humanos. Entre 1998 e 2004 foi Diretor do Programa Especial de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais da UNICEF / PNUD / Banco Mundial / OMS, na Organização Mundial da Saúde em Genebra (TDR; http://www.who.int/tdr).

Participou ativamente da criação de vários programas mundiais de pesquisa e desenvolvimento em doenças negligenciadas: Global Forum for Health Research (1997); Medicines for Malaria Venture (MMV, 1998); Global Alliance for Tuberculosis Drug Development (TB Alliance, 2000; foi o primeiro Presidente do Conselho Diretor desta Organização, atuando neste Conselho até 2007); Drugs for Neglected Diseases initiative (DNDi, 2003; atual representante da Fiocruz no Conselho Diretor); Foundation for Innovative New Diagnostics (FIND, 2003). Desde 2004 coordena a implantação do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS) da Fiocruz, projeto integrante do Programa Mais Saúde (PAC-Saúde), atualmente em construção no campus de Manguinhos (http://cdtsfiocruz.blogspot.com/). Suas atividades de pesquisa e ensino atuais estão direcionadas para as áreas de desenvolvimento tecnológico, redes científicas e tecnológicas e gestão da inovação, com foco em saúde e doenças negligenciadas. É professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (PPED) do Instituto de Economia da UFRJ tendo nos útlimos anos publicado artigos na Science, Nature e no periódico eletrônico “Innovation Strategy Today” nestas áreas.

Cesar Victora

Cesar G. Victora é Professor Emérito de Epidemiologia na Universidade Federal de Pelotas, RS, onde foi admitido em 1977 após graduar-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em 1983, obteve o título de PhD em Epidemiologia da Assistência Médica pela Escola de Higiene e Medicina Tropical da Universidade de Londres. Realizou extensas pesquisas em diversos estados brasileiros, havendo atuado como pesquisador ou consultor em mais de 40 países, assessorando a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o UNICEF.

Suas pesquisas incluem as áreas de saúde e nutrição materno-infantil, amamentação, coortes de nascimento, desigualdades sociais e avaliação de serviços de saúde, tendo resultado em mais de 550 publicações científicas com mais de 16.000 citações no Web of Science (índice H = 63). Suas principais contribuições científicas incluem a documentação da importância do aleitamento materno exclusivo para prevenir a mortalidade infantil e a construção de curvas de crescimento infantil atualmente adotadas em mais de 140 países. Com o estudo de 6,000 crianças pelotenses, acompanhadas desde o seu nascimento em 1982 até os 30 anos de vida, contribuiu para estabelecer o papel crítico da nutrição durante os primeiros mil dias (entre a concepção e o segundo aniversário) para a saúde e o capital humano na vida adulta, Em 1991, foi co-fundador do Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da UFPEL, que atualmente tem conceito máximo (grau sete) conforme a CAPES.

Já orientou 19 mestres e 15 doutores, dois dos quais venceram o Prêmio CAPES de Teses em 2010 e 2013. Em 2003, coordenou a Série de Sobrevivência Infantil Lancet/Bellagio, um conjunto de cinco artigos científicos com grande impacto sobre as políticas globais. Atua ainda como Pesquisador nível 1-A do CNPq, Professor Visitante das Universidades de Oxford, Londres e Johns Hopkins e Membro do Conselho Editorial de várias revistas, inclusive The Lancet. Recebeu o Prêmio Conrado Wessel de Medicina em 2005 e o Prêmio Scopus/CAPES por produtividade científica em 2006, sendo eleito neste ano para a Academia Brasileira de Ciências e indicado para a Comissão Nacional de Determinantes Sociais em Saúde. Em 2008 recebeu o Prêmio Abraham Horwitz para Liderança em Saúde Inter-Americana, da OPAS, havendo também sido agraciado com o grau de Comendador da Ordens Nacionais do Mérito Científico (2008) e da Ordem Nacional do Mérito Médico (2010). Em 2011, recebeu o Prêmio Global de Pesquisa Pediátrica em Denver (USA). Em 2013, recebeu o Wellcome Trust Senior Investigator Award, com financiamento de sete anos para criar um Observatório Global de Desigualdades em Saúde Materno-Infantil. Foi presidente da Associação Epidemiológica Internacional (período de 2011-14).

Gastão Wagner

Médico formado pela Universidade de Brasília, em 1975, é especialista em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo, mestre em Medicina (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é professor titular da Universidade Estadual de Campinas, Membro de corpo editorial da publicação “Trabalho, Educação e Saúde” e membro do corpo editorial da Revista Ciência & Saúde Coletiva, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública. Atuando principalmente nos temas anti-taylor, democracia em instituições e gestão de instituições.

Inês Rugani  

Formada em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz e doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é professora associada do Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (INU/UERJ). Nesta instituição, Inês é docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Alimentação, Nutrição e Saúde. Atua como membro do Núcleo de Alimentação e Nutrição Escolar, que desenvolve atividades de pesquisa e extensão universitária dirigidas à qualificação do Programa Nacional de Alimentação Escolar no Estado do Rio de Janeiro. Também é diretora do INU/UERJ (quadriênio 2012-2015). Foi membro fundador e, hoje, é coordenadora adjunta do Grupo de Trabalho Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Atuou como secretária executiva do Congresso Mundial de Nutrição e Saúde Pública “World Nutrition Rio2012”. Foi sanitarista da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro no período de 1992 a 2012. Suas principais áreas de investigação são 1) delineamento e avaliação de intervenções, programas e políticas em alimentação e nutrição, com ênfase em ações de promoção da alimentação saudável, alimentação na infância e assistência a grupos em risco nutricional, e 2) delineamento, implementação e avaliação de sistemas de monitoramento de eventos de interesse para a nutrição, com destaque para práticas alimentares no primeiro ano de vida, estado nutricional de escolares e fatores de risco e proteção à saúde de adolescentes.

Márcio Pochmann

Formado em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutor em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Mário Pochmann atualmente é Professor Livre Docente da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Politicas Sociais e do Trabalho. Atuando principalmente em politicas de trabalho.

Jairnilson Paim

Médico formado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestre em Medicina e doutor em Saúde Pública pela também UFBA, Jairnilson Paim é professor desta universidade desde 1974 e Professor Titular do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA desde os anos 2000. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Política de Saúde, Planejamento em Saúde, Reforma Sanitária Brasileira e Sistema Único de Saúde.

(Publicado inicialmente em 16 de abril de 2015, atualizado em 27 de julho de 2015)

 

 

Comments

comments

2 comentários sobre “Grandes Debates do 11° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva colocam em perspectiva a saúde e seus desafios

Deixe uma resposta