Dossiê ABRASCO: Um Alerta Sobre os Impactos dos Agrotóxicos na Saúde


Neste mês de abril será lançado o “Dossiê ABRASCO: Um Alerta Sobre os Impactos dos Agrotóxicos na Saúde”. A novidade dessa publicação é o capítulo intitulado “A crise do paradigma do agronegócio e as lutas pela agroecologia”. A informação foi adiantada pelo professor Fernando Carneiro – coordenador do GT Saúde e Ambiente da Associação, durante o Seminário Nacional da Articulação Nacional de Agroecologia que aconteceu em fevereiro. Sobre o livro, é mais um exemplo daquilo que Fernando aponta como resultado da parceria da saúde coletiva com a agroecologia. “Aprendemos muito com o movimento agroecológico e incorporamos esses múltiplos aprendizados nas nossas práticas. Um dos exemplos foi a própria facilitação gráfica incorporada não só na publicação desse Dossiê, mas no Simpósio de Saúde e Ambiente que a Abrasco realizou no ano passado”, disse Fernando.

A publicação, com mais de 600 páginas, é uma co-edição da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, e da editora Expressão Popular. O lançamento nacional do Dossiê está previsto para abril, mês em que a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa quatro anos de luta.

Veja nos dossiês da Abrasco a devastação que os agrotóxicos e o agronegócio vem causando à população brasileira.

DOSSIÊ – PARTE 1

DOSSIÊ – PARTE 2

DOSSIÊ – PARTE 3

Comments

comments

7 comentários sobre “Dossiê ABRASCO: Um Alerta Sobre os Impactos dos Agrotóxicos na Saúde

    1. Olá Eduardo, bom dia. O livro Dossiê – que reunirá as 3 partes e mais um capítulo inédito – será apresentado no dia 28 deste mês, numa conferência de imprensa, aqui no Rio de Janeiro. No mesmo dia ele estará disponível em nosso site para acesso gratuito. A versão impressa estará disponível para venda na Abrasco Livros http://www.abrascolivros.com.br/ mas ainda não tenho a informação do valor.

  1. Seria bom que também fosse feito um dossiê sobre a contaminação dos agentes de combate a endemias, que trabalham com vários agrotóxicos e estão com a saúde debilitadas, vale apena debater essa situação. Sei bem bem o que esses servidores estão passando.

Deixe uma resposta