Dossiê Abrasco ganha versão em espanhol


O ‘Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde’ revela que a situação do Brasil em relação ao uso dos agrotóxicos está cada vez mais grave e a correlação de forças no campo social propicia desafios maiores. O consumo de venenos agrícolas cresce e está em curso um processo de desregulamentação do uso de agrotóxicos no Brasil. “Não há dúvida, estamos diante de uma verdade cientificamente comprovada: os agrotóxicos fazem mal à saúde das pessoas e ao meio ambiente”, diz o Dossiê. E em relação ao uso de agrotóxicos, o que acontece no Brasil interessa a outros países da América Latina, e foi justamente como estratégia de fortalecimento das articulações de pesquisadores, técnicos e militantes, contra o modelo de desenvolvimento do agronegócio na América Latina que a tradução do livro foi planejada e viabilizada, numa parceria entre a Universidad Andina Simón Bolívar (Sede Equador), a Universidad Nacional de Colombia – através de seu Programa Interfaculdades de Doutorado em Saúde Pública, a Red Colombiana de Salud Colectiva, a Abrasco e a Fiocruz – instituição que apoiou a execução do projeto.

Este é mais um passo para viabilizar a construção de um Dossiê Latinoamericano sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde e ambiente.

André Búrigo, membro da coordenação do GT Saúde e Ambiente da Abrasco, chama a atenção para o caminho que o Dossiê seguirá a partir desta tradução – “A tradução do Dossiê Abrasco para o espanhol é uma expressão de força da Saúde Coletiva Latinoamericana e de unidade na luta contra o modelo de desenvolvimento que contamina e intoxica a vida. O apoio da Fiocruz foi fundamental para que esse projeto se tornasse possível. A cooperação internacional só tende a avançar, agora que o livro será lido em vários outros países. Esperamos que possamos dar nossa contribuição para que cada vez mais fiquem fortes as articulações entre saúde coletiva e agroecologia, pesquisadores e movimentos sociais, em toda a América Latina. Nossa gratidão aos companheiros e instituições envolvidas pelo excelente trabalho realizado”, comenta Búrigo.

Sobre a versão latinoamericana do Dossiê Abrasco, o reitor da Universidade Andina Simón Bolívar (Sede Equador), Jaime Breilh, declarou: “Nuestro equipo realizó un colaboración inmediata, eficiente y de alta calidad para la traducción del Dossier. un trabajo de alta calidad por un compromiso con dos entidades como Fiocruz y Abrasco, con las cuáles tenemos una relación fraterna y cuyo prestigio había que proteger, pero también motivadas por la necesidad de proteger el prestigio de la Universidad Andina”

O lançamento do Dossiê na versão em espanhol será realizado na Universidad Nacional de Colombia, neste 06 de setembro, às 19h00 e contará com transmissão ao vivo através deste link. O livro, uma co-edição da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, e da editora Expressão Popular, está agora disponível em espanhol, com acesso gratuito graças a esta parceria entre as instituições: Universidade Andina Simón Bolívar – por meio dos investigadoras de Área de Saúde, María José Breilh e Ylonka Tillería, e com a participação da Universidad Nacional de Colombia.

ACESSE AQUI a versão em PDF do Dossiê Abrasco, em espanhol.

Confira a programação do lançamento (horário de Brasília)

Abertura – 19h00 às 19h30

Mario Hernández (Coordinador del Doctorado Interfacultades en Salud Pública, Universidad Nacional de Colombia)

Fernando Carneiro (Coordenador da Fundação Oswaldo Cruz – Ceará)
(por videoconferencia)

Apresentações – 19h30 às 21h00

Lia Giraldo (Abrasco; Fiocruz; Universidade Federal de Pernambuco)
“La construcción del Dossier Abrasco: Una alerta sobre los impactos de los Agrotóxicos en la Salud”

Jaime Breilh (Rector de la Universidad Andina Simón Bolívar – Sede Ecuador)
“La traducción del Dossier ABRASCO y la construcción del Dossier Latinoamericano sobre los impacto de los agrotóxicos en la salud” – (por videoconferencia)

Javier Rodríguez (Red Colombiana de Salud Colectiva; Universidad Nacional de Colombia)
“Anotaciones sobre el trabajo de traducción del Dossier ABRASCO: Palabras, datos y perspectiva latinoamericana”

Luz Perli Hernández (Cumbre Agraria)
“El panorama en Colombia: Glifosato, modelo agrario y resistencia”

Debate – 21h30 – 22h00

O livro Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde foi construído pela Abrasco, entre 2012 e 2014, em articulação com a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida e com a Articulação Nacional de Agroecologia. A publicação, com mais de 600 páginas, colorida e ilustrada, está organizada em quatro partes: 1) “Segurança alimentar e nutricional e saúde”; 2) “Saúde, ambiente e sustentabilidade”; 3) “Conhecimento científico e popular: construindo a ecologia de saberes”; 4) “A crise do paradigma do agronegócio e as lutas pela agroecologia”. As três primeiras partes foram lançadas em 2012 e sofreram revisão para o livro. A quarta parte, concluído em outubro de 2014, foi dedicado à atualização de acontecimentos marcantes, estudos e decisões políticas, com informações que envolvem os agrotóxicos, as lutas pela redução dessas substâncias e pela superação do modelo de agricultura químico-dependente do agronegócio.

Polêmica na eleição para novo reitor da Universidade Andina Simon Bolivar – Sede Equador

A Universidade Andina Simon Bolivar – Sede Equador está sob tensão após pronunciamentos e decisões do Conselho de Ensino Superior (CES) sobre a eleição para o próximo reitor. Em recente comunicado oficial, a reitoria de Jaime Breilh pontuou que a comunidade universitária elege seu representante maior com autonomia institucional e sob votação por maioria – “É do conhecimento público que as posições do Parlamento Andino, apoiada por algumas autoridades do governo têm impedido que isso aconteça, demonstrando seu compromisso para intervir e impor uma reitor da Universidade, sem legitimidade ou suporte. O reitor, Dr. Jaime Breilh, em nome da comunidade universitária, tem investido grandes esforços para superar o conflito que foi criado fora da Universidade, e tem apresentado alternativas para negociações. Como uma solução para o conflito, em 9 de junho, as partes acordaram que o processo de nomeação do novo reitor seria feita através do Conselho Universitário, composto apenas por seus membros inquestionáveis. Infelizmente, no dia 27 de junho, o então presidente do Parlamento Andino não respeitou o acordo e impediu o processo de consulta e a nomeação será feita sem nenhuma consulta”, diz o comunicado. À imprensa, Jaime Breilh disse que o CES não tem autoridade legal para declarar a acefalia a direção da Universidade, nem poderia pedir a nomeação das novas autoridades fora dos procedimentos estabelecidos pelos regulamentos da própria Universidade – “Meu pleno exercício da reitoria não corresponde a uma postura de equipe intransigência; é minha obrigação cumprir as normas e princípios universitários e respeitar a legalidade nas instituições de ensino superior. A Universidade Andina, Sede Equador, continua suas atividades acadêmicas e administrativas conforme declarado em seu planejamento, de modo que o calendário anunciado para o processo de registro está mantido. As aulas do novo ano letivo vão começar, como previsto, em 03 de outubro de 2016”, anunciou Jaime Breilh.

Comments

comments

Deixe uma resposta