Chamamento para coalizão em nome da Ciência e Tecnologia em Saúde


Cerca de 100 pessoas, entre pesquisadores, docentes, estudantes e autoridades do Ministério da Saúde prestigiaram a abertura do Seminário 20 anos de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde no Brasil, realizado pela Abrasco em conjunto com a Fundação Oswaldo Cruz. O evento acontece hoje e amanhã (19) na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), no campus Manguinhos, na sede da Fiocruz, no Rio de janeiro, e faz parte das atividades preparatórias da 15ª Conferência Nacional de Saúde, que será realizada em 2015.

Luis Eugenio de Souza, presidente da Abrasco e membro do Conselho Nacional de Saúde (CNS), saudou os presentes, afirmando a  satisfação da Associação e do Conselho na promoção do seminário. “Muito se avançou nesses 20 anos na área da Ciência e Tecnologia em Saúde. Desenvolvemos uma política, avançamos na inovação e tantos outros aspectos. No entanto, é necessário falar que essas conquistas até então adquiridas não estão asseguradas. Nosso quadro de dependência das importações ainda é grande e temos de autoviabilizar a produção de insumos e tecnologias para o SUS. É uma questão de independência. Queremos com esse evento fazer este balanço e pensar os próximos 20 anos, com o intuito de assegurar condições para a estruturação do Complexo Econômico Industrial da Saúde com qualidade e em bases que o país possa manter.”

Na sequência, Mitermayer Galvão, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, colocou a entidade e escopo científico aos quais representa a serviço das políticas de CT&I em Saúde. “Uma das preocupações que temos é a transição demográfica que vivemos em nosso país e o risco das re-emergências das doenças endêmicas, como a Doença de Chagas, e de doenças crônico-degenerativas. Convido a todos a ver na Medicina Tropical a possibilidade de inovação. Estamos preparados para o desafio”, destacou Galvão, citando a criação de um teste diagnóstico rápido e portátil para a leptospirose, desenvolvido por pesquisadores brasileiros ligados à Sociedade e que já conta com autorização da Anvisa.

Coalizão Estratégica: Na sequência, Carlos Gadelha, Secretário Nacional de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (SCTIE/MS) discorreu sobre os avanços por que a área passou, quando começou como uma área acessória e de escasso orçamento até a constituição da Secretaria, em 2004. “No início, muitos criticavam o avanço conceitual e político da Ciência e Tecnologia na área da Saúde, mas muito do que aconteceu nesses 20 anos deve-se a essa apropriação do tema pela Saúde Coletiva, quando o tema passou a entrar na agenda do CNS com importante protagonismo; na formulação de um documento da Abrasco de 2011, e por esta instituição, a Fiocruz”.

Esses esforços, segundo o Secretário, colocam o Brasil na quarta posição entre as nações que mais aumentaram a produção científica em saúde e fazem com que o país tenha capacidade de pensar uma política “não para as PDPs (as parcerias de desenvolvimento produtivo), mas sim uma política de desenvolvimento econômico industrial voltada para a soberania.”

Carlos Gadelha citou experiências de outros países que não souberam fazer essa política, como o México, que adotou o modelo das cadeias globais de competitividade e hoje é obrigado a fazer importações para a revenda de tecnologia, ficando subordinado às decisões das empresas internacionais que, mesmo com toda a disputa entre elas, chegam juntas e afinadas para as reuniões com os governos.

Para ele, o momento exige a criação de uma coalizão estratégica na defesa e na ampliação dessa visão política, que não está ganha dentro da estrutura do Estado brasileiro, mas que é a única com possibilidade de capacitar o Sistema Único de Saúde e garantir a autonomia brasileira. “Temos um Sistema para atender 200 milhões de pessoas, mas passamos por problemas com produtos para a Atenção Básica e para tratamentos oncológicos. Temos de ter um Complexo Econômico Industrial que atenda o SUS como um todo, e não apenas desenvolver três produtinhos de nicho para entrar no mercado global. Ou aceitamos que a construção do SUS depende de uma política nacional de CT&I ou não teremos uma saúde pública possível. Temos de ter essa ousadia de ter um SUS que cumpra a Constituição Brasileira, que seja igualitário e equânime. Vamos brigar, nos debater, mas vamos fazer uma coalizão para entrar com força nesse embate”.

CT& I para além dos muros: Paulo Gadelha, presidente da Fiocruz, agradeceu a presença de todos e destacou a vinda daqueles que já passaram pelo Ministério da Saúde e pela Fundação e deram colaborações importantes para a área, como os pesquisadores Carlos Morel, Luis Fernando da Rocha Ferreira da Silva, Moisés Goldbaum, Reinaldo Guimarães e José da Rocha Carvalheiro, presentes à abertura e que comporão as demais sessões do evento.

Em sua fala, destacou que a comunidade acadêmica sabe o que precisa e o que é necessário na área da Ciência e Tecnologia em Saúde, como expresso na aprovação quase unânime da carta política aprovada no VII Congresso Interno da Fundação, em agosto último. “Uma ideia força que o texto traz é que a saúde tem de estar no centro das discussões de desenvolvimento do país, pois é o setor que tem capacidade de fazer a sinergia entre direito, cidadania e políticas sociais para a população brasileira”.

Para Paulo Gadelha, os últimos 20 anos significaram uma virada significativa de como o Ministério da Saúde se relaciona com a área de CT&I. Na visão do presidente da Fundação, a pasta era passiva frente às produções e demandas. Mesmo com o marco da 1ª Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia em Saúde, levou-se seis anos para a criação do Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) e dez para a fundação da Secretaria. “O processo foi tardio e nosso tempo é muito curto”.

Os desafios postos ao futuro são enormes, na visão de Paulo Gadelha. Deve-se pensar o segmento para além dos pares e fora dos muros da academia, entendendo e estimulando a capacidade de a população se apropriar sobre o tema. Isso diz respeito também à constituição das prioridades para esse segmento, que deve ter uma matriz clara para a definição das propostas e dos projetos. “A pesquisa estratégica produz conhecimento novo e é voltada para resolver problemas, mas temos de dizer quais são, senão vamos continuar engatinhando”, disse Gadelha, indicando que áreas como a Atenção Básica, a violência e pequisas clínicas em câncer, neurociência e hipertensão estão no foco das ações da Fundação, tanto pela necessidade quanto pela capacidade de indução de novos trabalhos, que devem ser desenvolvidos em rede e em plataformas. “Discutimos aqui um projeto de Brasil, que encontra-se em debate nesse período eleitoral. E, como sabemos, a produção de conhecimento em ciência e tecnologia não tem nada de neutro. Teremos com a Conferência do ano que vem uma grande oportunidade de exercitar isso”.  Acompanhe no Portal Abrasco os debates do evento.

Comments

comments

Um comentário sobre “Chamamento para coalizão em nome da Ciência e Tecnologia em Saúde

Deixe uma resposta