Coleção Saúde Pública é a pioneira da nova interface do Programa SciELO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se você é um leitor atento da revista Ciência & Saúde Coletiva, Revista Brasileira de Epidemiologia e demais publicações da Coleção SciELO Saúde Pública já deve ter percebido a mudança na interface das páginas. Desde novembro passado, o Programa SciELO lançou uma nova interface online de operação das coleções nacionais e temáticas da Rede SciELO, iniciando a implantação justamente com a coleção temática de Saúde Pública. A ferramenta opera em fase de testes, mas os resultados têm agradado os desenvolvedores responsáveis pelo projeto, que pretendem torná-la padrão para todos os periódicos albergados na base até 2019.

A nova interface traz modificações que vão da capa da coleção ao corpo do artigo, passando pelas listas e sumários. em geral, o espaço de leitura de tela foi melhor ocupado visualmente, com melhor distribuição das fontes, agora não são serifadas (com menos ângulos internos), o que facilita a leitura. Há também uma clara proposta de interoperação dos conteúdos na capa, juntando num único espaço as chamadas para os artigos científicos em destaque das publicações com outras produções textuais, como os releases dedicados à divulgação, números de edições anteriores e artigos e textos publicados no blog SciELO em perspectiva, numa ideia de enriquecer a interação dos leitores e editores com o acervo produzido e disponibilizado pela plataforma.

“Além das mudanças visuais houve ganhos significativos na manutenção e na gestão dos sistemas e na tecnologias envolvidas no projeto, possibilitando fáceis manutenções e ajustes” argumentam Juan Ernesto Gutierrez e Jamil Atta Junior, analistas desenvolvedores responsáveis pelo novo projeto de aprimoramento do SciELO, que completa neste 2018 20 anos.

Diversas causas levaram os desenvolvedores a iniciar os testes da nova interface justamente pela coleção de Saúde Pública. Com 22 títulos em operação, a Coleção Saúde Pública é a maior entre as áreas do conhecimento. “A coleção apresenta os principais componentes e atributos presentes nas diferentes coleções da rede”, explica a dupla no texto de divulgação. Em entrevista por e-mail a Comunicação da Abrasco, eles foram além nas explicações: “Ao analisarmos coleções com métricas mais robustas como a da Saúde Pública conseguimos analizar o contexto e o comportamento dos leitores nessa diversidade, servido como base para realizar melhorias e ajustes necessários.” O volume de acesso aumenta ao final de cada semestre. A coleta de dados ainda esperará esse tempo para iniciar a análise e obter resultados mais consistentes sobre o impacto das novas mudanças.

Estão previstas após o lançamento oficial junto ao seminário de 20 anos, em setembro, diversas rodadas de apresentações junto aos editores e, posteriormente, oficinas de capacitação para o uso das ferramentas envolvendo profissionais das revistas e periódicos responsáveis pela atualização dos conteúdos. A expectativa é que em 2019 todas a coleções da Rede SciELO estejam operando com a nova interface, o que marcará uma nova etapa na história do programa. Será paulatino. Agora estamos focados em publicar a nova plataforma para nossa maior coleção o SciELO Brasil e após essa atividade iremos dedicar esforços para adicionar as outras coleções com o objetivo de manter um padrão SciELO na publicações dos artigos científico”, completam.

Comments

comments