WFPHA lança livro de casos sobre advocacy em saúde pública

Livro destaca dois casos de advocacy brasileiros entre iniciativa exemplares

A Federação Mundial de Associações de Saúde Pública (WFPHA) acaba de lançar um livro com casos inspiradores sobre advocacy em saúde pública.  A publicação estabelece direcionamentos para boas práticas em advocacy e destaca sua importância no funcionamento dos sistemas universais de saúde, analisando 18 casos exemplares de diferentes cantos do mundo, dois deles aqui do Brasil.  

O lançamento faz parte de uma série de ações da WFPHA voltadas para o fortalecimento e para a produção de ferramentas que permitam maior presença das associações de saúde pública na tomada de decisão dos processos políticos em saúde. 


Clique aqui e acesse o livro de casos

Os casos 06 e 07 do livro são dedicados a análises de políticas e advocacy voltadas para o sistema público de saúde brasileiro. O primeiro caso lança olhar sobre a implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS, portaria Nº 2.446, de 11/11/2014), analisando em específico a incidência do advocacy para a sua efetivação em duas regiões brasileiras.

Para os autores, o fato do caso ser uma ação bem sucedida selecionada entre mais de 160 inscritas do mundo é um feito muito importante para a iniciativa do GT de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Sustentável. Para a autora Dais Gonçalves Rocha, o reconhecimento evidencia os resultados do GT que completará 20 anos atuando diretamente com advocacy. “Seguimos em rede e desejando que os nossos tempos sejam mais favoráveis” afirma a pesquisadora.

O segundo analisa as dificuldades que marcam a luta por financiamento adequado para o sistema de saúde pública a partir da participação social, detalhando o Movimento Saúde + 10, liderado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), Abrasco e demais entidades entre 2013 e 2015.

“O Movimento da Reforma Sanitária, sob liderança do Conselho Nacional de Saúde, demonstrou assim, mais uma vez, sua capacidade de advocacy. O  fato do projeto de lei de iniciativa popular não ter sido acolhido pelo Congresso, por sua vez, é apenas mais uma evidência da insensibilidade social da maioria dos representantes formais do povo brasileiro”, afirma Luis Eugenio de Souza, presidente da Abrasco 2013 – 2015, um dos organizadores do Saúde + 10 e, atualmente, vice-presidente/presidente eleito da WFPHA.

O livro está disponível para download gratuito e pode ser conferido, também, no site da WFPHA.

Comments

comments

Deixe uma resposta