Programa Mais Médicos pela Associação Brasileira de Educação Médica


19 de setembro de 2013

 

 

A Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), entidade reconhecida como de utilidade pública, que congrega em seu seio mais de 140 escolas médicas associadas, alguns milhares de associados individuais docentes e discentes, além de associados especiais como a Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade  (SBMFC), entre outras, há 50 anos está comprometida com o desenvolvimento da educação médica no país, visando à formação de um profissional capaz de atender às necessidades de saúde da população, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

 


Por esta razão, a ABEM vem a público manifestar que continuará contribuindo, de maneira democrática e construtiva, com os processos de avanço em educação e saúde. Assim:


1. Manifesta-se contrária à forma autoritária com que foram decididas as medidas do Programa “Mais Médicos” pelo Governo Federal, sem consulta prévia às entidades e escolas médicas;


2. Reitera seu posicionamento favorável ao REVALIDA, nos moldes atuais, como instrumento de revalidação de diplomas médicos obtidos no exterior;


3. Manifesta-se contrária ao aumento da duração do curso de graduação em medicina para oito anos;


4. Destaca que as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Medicina já determinam a formação prática nos três níveis de assistência no SUS;


5. Ressalta que, para diminuir a carência de médicos no SUS, faz-se necessário um plano de carreira, uma política salarial e melhores condições de trabalho com responsabilização dos gestores;


6. Defende a oportunidade de Residência Médica de qualidade para todos, com distribuição de vagas em função das necessidades sociais.


7. Manifesta-se contrária à abertura indiscriminada de vagas de graduação em medicina.
Conscientes de  que o Brasil enfrenta graves problemas de financiamento, gestão, provimento e fixação de profissionais na área da saúde, a ABEM entende que a Medida Provisória no. 621 não soluciona esses problemas.


Portanto, a ABEM defende a rejeição da Medida Provisória nº 621 e conclama toda a sociedade para discutir as questões relacionadas à educação médica e propor soluções, como tem feito ao longo das últimas décadas e nos desdobramentos deste gesto e acreditando estar em um processo construtivo, formativo, participativo, estamos convidando os atores envolvidos para uma nova reunião nacional.

 

Data: 24 de setembro

Horário: 11h às 16h

Local: Brasília/DF  Hotel St.Peter – SHS-Quadra 2 – Bloco D – Asa Sul

 

A ABEN entende ser um momento ímpar para o compromisso protagonista dos atores envolvidos que inclui as autoridades governamentais dos Ministérios da Educação e da Saúde, que estão à frente das ações desencadeadas pela MP621. 

 

(Com informações da Associação Brasileira de Educação Médica)

Comments

comments