Wanderlei Pignati fala da polêmica da pulverização aérea


Num curto vídeo produzido pelo Núcleo de Estudos Ambientais e de Saúde do Trabalhador da Universidade Federal do Mato Grosso (NEAST/UFMT), Wanderlei Pignati, professor associado a este núcleo e um dos autores do Dossiê Abrasco: Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos à saúde, dá uma declaração contundente sobre o perigo que representa à saúde de toda a população brasileira a sanção da Lei 13.301/2016 por Michel Temer que permite a pulverização aérea de produtos químicos para controle vetorial do Aedes aegypti.

+ Nota da Abrasco contra pulverização aérea de inseticidas para controle de vetores
+ Temer sanciona pulverização de agrotóxicos em áreas urbanas
+ Abrasco participa de reportagem da Agência Brasil sobre pulverização aérea

“Vai ser uma coisa ineficaz contra o mosquito, pois já temos trinta anos usando isso [“fumacês” e demais produtos organofosforados] e não controlou o Aedes. O significado e o efeito desse avião sob nossas cabeças vão prejudicar a saúde humana e não vão ser eficazes com os mosquitos”, diz o abrasquiano. Assista na íntegra:

Comments

comments

Um comentário sobre “Wanderlei Pignati fala da polêmica da pulverização aérea

  1. Os pontos citados (casas, etc.) podem e devem ser atingidos (com doses corretas), pois é ali que vivem os mosquitos. A dose é eficaz para os mosquitos mas não é prejudicial para homens e animais, que não os insetos. O Malation, citado, não é a única alternativa. Os técnicos do MS escolherão os produtos mais eficazes (sem resisêencia por parte dos mosquitos) e menos tóxicos. É uma aplicação segura e, se usada, certamente demonstrará sua eficácia. Não têm fundamento (com todo respeito) os temores do Dr. Pignatti.