GT Racismo e movimento negro apresentam demandas ao gabinete de transição de Lula

As demandas apresentadas pelo movimento negro através de uma série de prostas encaminhadas ao gabinete de transição de Lula pelo GT Racismo e Saúde/Abrasco e outras 42 entidades foram pauta de uma matéria da Veja. Entidades da área da Saúde e grupos do movimento negro organizado querem que o novo governo promova, nos primeiros 100 dias da gestão, um ‘revogaço’ de medidas que julgam ampliar as desigualdades sociais, raciais e econômicas no país. 

O documento, assim como outros, foi fruto das atuações do GT durante o pré-congresso do Abrascão 2022. Além de realizarem uma reunião de organização interna, o GT liderou a reunião do I Encontro de Coletivos Negros: avanços e desafios na luta antirracista na saúde coletiva, documento lido durante o Grande Debate sobre justiça social e submetido à Plenária Final do Congresso. Clique nos itens em negrito e acesse os textos.

Governo de transição: “Como proposta de caráter urgente a ser atendida nos primeiros 100 dias do governo, levantamos a extensa lista de portarias que serviram a atuação do governo anterior na ampliação dos ciclos das desigualdades sociais, raciais e econômicas em dimensões preocupantes e que afetam de forma drástica a população negra e o seu acesso, direto ou indireto, aos espaços de saúde”, afirma o documento. A recomendação do GT Racismo e Saúde/ABRASCO é a revogação de todas as portarias, leis, emendas e resoluções que se enquadram nesse cenário de exclusão. Confira o documento.

Recentemente, a saúde da população negra foi tema de uma matéria da Folha que ouviu o coordenador do GT Racismo e Saúde, Hilton P. Silva, sobre essas desigualdades. “O futuro governo vai precisar reforçar a importância das políticas e a conscientização da existência do racismo estrutural do país —o que o governo que está acabando não fez”, reforça.

Entre as entidades signatárias do documento além da Abrasco estão a ONG Criola, a Pastoral Afro da CNBB, o Movimento Negro Unificado e a Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde (Renafro). No total 43 entidades assinam a proposta.

Leia na íntegra a matéria publicada pela Veja

GT Racismo e Saúde se reúne com gabinete de transição de Lula
Reunião aconteceu na tarde de terça-feira (29) e reuniu representantes do Gabinete de Transição do governo eleito e integrantes do GT Racismo e Saúde/Abrasco. O GT foi representado presencialmente por Lucélia Pereira e Fernanda Lopez. 


Confira também: Mulheres pretas são as principais vítimas de eclâmpsia e mortalidade materna, aponta pesquisa

Comments

comments

Deixe um comentário