Invisibilidade, respeito e exclusão: racismo e envelhecimento na pandemia em debate

O racismo e o envelhecimento estiveram no centro do debate do painel da Ágora Abrasco realizado em 16 de setembro. Com a coordenação de Alexandre Kalache, do ILC Brasil e coordenador do GT Envelhecimento e Saúde Coletiva da Abrasco, a sessão Covid-19 e Envelhecimento: reflexões sobre racismo e saúde tratou de temas como invisibilidade, respeito e exclusão.

Alexandre da Silva, professor da Faculdade de Medicina de Jundiaí (SP), do ILC Brasil e membro dos GTs de Envelhecimento e Saúde Coletiva e Racismo e Saúde da Abrasco, destacou a invisibilidade da população negra, principalmente os idosos. “Na pandemia, um grupo social brasileiro conseguiu fazer isolamento, outro não”, afirmou.

Fazendo um resgate histórico sobre todas as violências contra a população negra e falando sobre invisibilidade, racismo estrutural e institucional e necropolítica, Elaine Oliveira Soares, da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (RS) e integrante do GT Racismo e Saúde da Abrasco, falou que o sucateamento do SUS afeta diretamente a população dependente do sistema. “Precisamos desnaturalizar as desigualdades e o racismo, em prol de uma população que tenha saúde em sua integralidade para um envelhecimento digno”, explicou.

A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Isabelle Ribeiro Barbosa observou ser de extrema importância a discussão de questões étnico-raciais e a luta pelo antirracismo. Citando estudos no nordeste e na cidade de Natal (RN) durante a pandemia, a pesquisadora apontou para dados de maior mortalidade em áreas periféricas e pobres, com mais habitantes pretos e pardos. “A invisibilização do negro perpassa dentro da academia, inclusive”, afirmou, apontando ainda para o baixo preenchimento dos quesitos raça, cor, etnia em documentos oficiais, dificultando a sistematização de dados e a elaboração de políticas.

Lia Vieira, escritora especialista em relações étnico-raciais, também ressaltou aspectos ligados às dificuldades, vulnerabilidades e questões da saúde mental, agravados pela pandemia da Covid-19. De acordo com Vieira, o isolamento não é comum em nossa comunidade e os idosos têm que ser olhados com respeito e inclusão. “Como envelhecer? Hoje está posta esta questão. Se antes já estava difícil, como envelhecer hoje?”, concluiu.

Assista ao painel na íntegra:

Comments

comments

Deixe uma resposta