Pelos direitos humanos e pela saúde dos refugiados, nos EUA e em todos os países

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco – vem a público manifestar seu repúdio à ordem executiva do governo do presidente Donald Trump que suspendeu programas de reassentamento e restringiu o acolhimento de refugiados e o ingresso de imigrantes de sete países de maioria muçulmana nos Estados Unidos da América.

O fluxo contínuo de pessoas pelo mundo é um desafio à Saúde Pública em nível internacional que requer medidas ativas dos governos; assistência planejada e direcionada por parte das gestoras e gestores de saúde, e tratamento humanitário pelos e pelas profissionais de ponta, compreendendo as condições de saúde, de dor e de sofrimento dessas pessoas que, em sua maioria, passaram por situações de privação, trauma e/ou violência.

Além de uma desumanidade para com milhares de pessoas, a medida do governo Trump é uma flagrante violação ao Direito Internacional dos Refugiados e aos princípios de asilo e proteção deliberados pelos países signatários da Convenção de Cartagena, de 1984, e reatualizados pela a Declaração do Brasil, de 2014.

Cabe às entidades da sociedade civil manifestarem o seu repúdio a tal proposta e promover a solidariedade internacional entre os povos, evitando que pensamentos xenófobos tomem morada nas práticas políticas de nosso país que, como as demais nações, também vivencia e recebe correntes migratórias e de refugiados, em especial nas fronteiras da região amazônica.

Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2017

Associação Brasileira da Saúde Coletiva – ABRASCO

Comments

comments