ABRASCO manifesta apoio integral à pesquisa nacional de saúde (PNS)


A Diretoria da ABRASCO encaminhou ao Dr. Jarbas Barbosa da Silva, titular da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS), um documento com o posicionamento da Associação sobre o Suplemento Nacional de Saúde da PNAD e sobre a Pesquisa Nacional de Saúde solicitando que o mesmo seja discutido na reunião que está sendo programada para o início de outubro. No documento, a ABRASCO saúda a comunidade cientifica pela perspectiva de realização desse inquérito de âmbito nacional e afirma que “tendo em vista a importância do planejamento e execução de inquéritos nacionais de saúde, a ABRASCO participou de duas reuniões sobre a PNS e debateu o tema em várias de suas reuniões de diretoria e comissões. O primeiro pressuposto que fundamenta nossa participação é a acepção de que, na condição de entidade que reúne pesquisadores, estudantes e técnicos que atuam na área de saúde, podemos e devemos contribuir para aprimorar e inovar as bases de informação sobre saúde. A segunda diretriz que orienta o posicionamento da entidade é o estímulo ao amplo debate de idéias, teorias e abordagens metodológicas. Com base nessas diretrizes, o posicionamento inicial da diretoria da ABRASCO foi apoiar a PNS e manifestar preocupação com a preservação da serie temporal dos quatro inquéritos nacionais de saúde conduzidos como suplementos da Pnad. Para tanto, uma alternativa seria manter a comparabilidade das informações e modernizar a estrutura dos suplementos saúde, acoplando os objetivos não contemplados anteriormente no âmbito da pesquisa já existente. Outra possibilidade aventada foi a de realizar mais um inquérito vinculado a Pnad e a PNS em anos consecutivos para verificar e planejar com mais rigor a compatibilização entre ambas as pesquisas Assim, a preocupação de uma parcela da comunidade científica concentra-se em torno da necessidade de conferir ao inquérito a dimensão e relevância que uma pesquisa nacional de saúde deve ter para apoiar a formulação de políticas e a tomada de decisão”. Para ler o documento na íntegra clique aqui.

Comments

comments