Pesquisadora ganha menção honrosa da Capes com tese sobre participação indígena nas políticas de saúde

foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

O Prêmio CAPES de Tese 2020 da área de Saúde Coletiva concedeu menção honrosa para a pesquisa de Nayara Begalli Scalco Vieira, integrante do Grupo Temático Saúde Indígena da Abrasco, intitulada “Tem que ser do nosso jeito: participação e protagonismo do movimento indígena na construção da política de saúde no Brasil”. O trabalho foi orientado pela professora da Faculdade de Saúde Pública da USP (FSP/USP) e integrante do Conselho Deliberativo da Abrasco, Marília Louvison, e aborda a necessidade da efetiva participação dos povos indígenas para a formulação de políticas de saúde. Nayara também destacou o ponto mais importante de ganhar o reconhecimento com a menção honrosa: ” A tese traz a discussão da saúde num momento em que as políticas indigenista estão sendo atacadas por todos os lados”.

Nayara conta que começou a trabalhar com povos indígenas ainda durante a graduação na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Depois, a pesquisadora trabalhou na área técnica de saúde indígena da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo e esse trabalho a fez pensar na importância do trabalho na saúde indígena buscando a participação ativa dessas comunidades na construção das políticas de saúde. Mas foi a 5ª Conferência Nacional de Saúde Indígena que Nayara percebeu que os espaços de diálogo constituídos atendiam mais aos gestores do que aos indígenas. Nayara relata que ao longo do tempo participando dos espaços e pesquisando viu que as pautas dos indígenas não ecoavam: “A tese ressalta que eles são protagonistas de suas histórias, que lutaram muito para ter seus direitos constitucionais e agora lutam pra manter esses direitos”.

Marília Louvison destaca que foi uma grande satisfação saber da premiação de sua orientanda. Para ela, “a pesquisa desenvolvida na temática da participação social na construção de políticas públicas dialoga com as Epistemologias do Sul e a ecologia de saberes no reconhecimento da narrativa produzida pela luta dos povos indígenas no Brasil”. A professora destacou ainda que considera “de grande importância a premiação de uma pesquisa de excelência que irá contribuir, sem dúvida, para a produção do conhecimento científico no campo da saúde coletiva ao mesmo tempo que se alinha ao debate necessário do papel do Estado em um momento de importante resistência dos povos indígenas pela vida”.

Nayara fez questão de destacar ainda a importância dos investimentos em pesquisa para dar condições aos pesquisadores de trabalharem com o aprofundamento e a dedicação necessárias. No momento em que o país passa por cortes de verbas nesse campo, a lembrança de Nayara é fundamental.

Comments

comments

Deixe uma resposta