Mário Scheffer condena proposta de Ricardo Barros para planos de saúde

Foto: Vinicius Andrade

Vice-presidente da Abrasco, Mário Scheffer publicou neste domingo (27) artigo de opinião na Folha de S. Paulo denunciando a estratégia de fortalecimento do setor privado em detrimento da saúde pública.  O professor da Faculdade de Medina da Universidade de São Paulo (FM/USP) explica os bastidores políticos e os interesses empresariais atrás da revisão da lei dos planos de saúde. Segundo Scheffer, “o retorno do livre mercado dos planos de saúde só iria contribuir para acelerar a crise sanitária sem precedentes que se anuncia no Brasil”. Confira abaixo o texto na íntegra e acesse aqui o link original da publicação.

O plano dos planos de saúde, por Mário Scheffer

Enquanto o agravamento da crise política monopoliza atenções, no escurinho do cinema, as empresas de planos de saúde se aliam ao mais impopular ministro que o setor já teve e investem em duas frentes, uma no Congresso e outra na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), para liberar a venda de pacotes de assistência médica mais baratos, porém de menor cobertura e de pior qualidade.

+ Lígia Bahia fala ao jornal O Globo sobre as mudanças na regulação dos planos de saúde proposta pelo governo Temer
+ El País questiona: se a inflação anual é de 2,71%, por que planos de saúde têm reajustes de 46%?

Em regime de urgência, comissão especial da Câmara dos Deputados quer levar ao plenário a revisão atual da lei dos planos. O perfil do ministro da Saúde, Ricardo Barros, que se elegeu deputado com doação do setor, é similar ao de integrantes da comissão.

Quem a preside é um colega do mesmo partido do ministro, o PP, e o relator, do PSDB, já provou fidelidade ao governo ao relatar a reforma trabalhista. Constam ainda, entre os membros, um deputado dono de plano de saúde e outros que tiveram campanhas financiadas por empresas do setor.

Além de legalizar os ditos planos populares, o que veio a público nas poucas audiências indica que um novo marco legal serviria para sepultar vários projetos de lei que pedem ampliação de coberturas assistenciais, para proibir a aplicação do Código de Defesa do Consumidor aos contratos, para rever o ressarcimento ao SUS previsto toda vez que uma pessoa que tem plano é atendida na rede pública e até mesmo para liberar totalmente o reajuste das mensalidades.

Em outra via, a mando do ministro da Saúde, a ANS aceitou, inexplicavelmente, considerar formatos populares desenhados pelas empresas.

Dois deles -o “plano simplificado”, que não inclui internação, atendimentos de emergência nem exames mais caros, e o “plano regional”, com cobertura ínfima conforme a disponibilidade de rede no município- são de autoria conjunta da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge), Unimed do Brasil e Confederação das Santas Casas.

Um terceiro produto, idealizado pela Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), prevê coparticipação do usuário no pagamento de pelo menos 50% do valor de cada procedimento realizado, além da passagem inicial obrigatória do paciente por um médico generalista, como barreira de acesso direto a profissionais e serviços especializados.

Sempre próximos de políticos, seja qual for o governo, empresários de planos de saúde fritam o peixe e olham o gato. Buscam tanto a aprovação pelo Congresso de nova lei que os favorece quanto o acolhimento de suas demandas pela ANS, atualmente reduto do PMDB do Senado, que escolhe ou aprova novas indicações e reconduções de diretores da agência.

Neste momento, resolução da ANS visa afrouxar as regras de fiscalização e reduzir drasticamente o valor das multas aplicadas sobre as frequentes negações de exames e consultas com especialistas.

Por inércia, a agência também permitiu o sumiço dos planos individuais e familiares do mercado, substituídos por contratos de pessoas jurídicas que autorizam maiores reajustes e rescisões unilaterais, dor de cabeça que atinge hoje 4,5 milhões de pessoas ludibriadas por corretores.

Com o ajuste fiscal, o Sistema Único de Saúde (SUS) vai encolher a partir de 2018, quando passa a valer o congelamento dos recursos públicos da área. O retorno do livre mercado dos planos de saúde só iria contribuir para acelerar a crise sanitária sem precedentes que se anuncia no Brasil.

 

Comments

comments