Movimentos do Rio de Janeiro se unem em pacto para vencer a Covid no estado

Mais de 3 mil mortes por dia. O país assiste a uma aceleração de casos e óbitos nunca vista antes. O sistema de saúde vive o maior colapso de sua história, atingindo de forma sincronizada e com grande intensidade todos os estados brasileiros. A fome voltou e as populações mais vulneráveis, mulheres, pobres e negros carregam mais uma vez o maior impacto social e econômico dessa pandemia. É esse o cenário de urgência que move as mais de 200 entidades da sociedade civil que se uniram em um movimento de mobilização para o estado do Rio de Janeiro: Rio pela Vida – mobilização para vencer a Covid-19.

Com lançamento marcado para hoje (18/3), às 15h, pela TV Abrasco – canal da Abrasco no YouTube, o Rio pela Vida pretende unir instituições e lideranças culturais, religiosas, políticas, comunitárias, sindicais, empresariais, científicas e os profissionais de saúde, para uma agenda de enfrentamento imediata à disseminação do vírus.

“O nosso Rio de Janeiro merece. Merece tudo. Merece a mobilização para vencer a covid-19 – o Rio pela Vida. As vacinas estão chegando. O que precisamos agora é a consciência coletiva de todos para que entendam as medidas restritivas e que colaborem com as medidas que eventualmente forem tomadas pelas nossas autoridades e a grande participação da sociedade civil. Nossas instituições, nós médicos, cientistas, pesquisadores, todos do mundo acadêmico estão comprometidos com esse grande, bonito e unido movimento do Rio pela Vida. Sigamos todos juntos e vençamos a Covid-19 no Rio de Janeiro e no Brasil”, propõe a médica pneumologista, Margareth Dalcolmo, que vem apoiando o movimento desde a sua concepção.

O Rio pela Vida propõe uma agenda central pautada em dez pontos centrais, com destaque para adoção de medidas mais rígidas sobre a circulação de pessoas, mobilização de campanha de distribuição e uso adequado de máscaras, bem como da prática do distanciamento social, ampliação da realização de testes de diagnósticos, investimentos nas escolas, implementação de medidas regulatórias e de fiscalização dos transportes públicos do estado, fortalecimento do SUS, com garantia de qualidade das ações da atenção primária, saúde mental, urgência-emergência e atenção hospitalar, e aceleração e ampliação da vacinação.

Sabe-se que a implementação de medidas restritivas atinge mais fortemente as populações vulnerabilizadas, que já sofrem o impacto econômico da pandemia. Por isso, o pacto proposto pelo movimento considera a necessidade de um compromisso com os auxílios emergenciais nas diversas esferas, do Governo Federal, do estado e dos munícipios, para a redução das vulnerabilidades e da recuperação da economia, bem como de um retorno às doações de alimentos, material de higiene e recursos financeiros para essas populações.

A live de lançamento contará com a presença da presidente da Abrasco, Gulnar Azevedo, do jornalista Roberta D’Ávila, da pneumologista da Fiocruz, Margareth Dalcolmo, do médico sanitarista, secretário de Saúde de Niterói e presidente do Conselho de Secretários de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (COSEMS-RJ), Rodrigo Oliveira, do ex-presidente da Fiocruz e presidente da Abrasco (2005-2006), Paulo Gadelha, da coordenadora geral da Organização Criola,  Lúcia Xavier, do líder Comunitário e coordenador do Grupo ECO, Morro Santa Marta, Itamar Silva, do antropólogo e diretor executivo do Viva Rio, Rubem César Fernandes, do Padre Max, da Paróquia N.Sra. do Pillar, em Duque de Caxias, e participante do “Grita Baixada” e do Fórum da Baixada pela Defesa dos Direitos Humanos, do Pastor da Igreja Batista Betânia, de Sulacap, Neil Barreto, do Babalorixá do terreiro de candomblé Ilê Omijuarô, Adailton Moreira, e do cineasta Zelito Viana.

Comments

comments

Deixe uma resposta