Movimentos da luta antimanicomial de todo o país celebram o 18 de maio

Em 18 de maio é comemorado, em todo o país, o Dia Nacional da Luta Antimanicomial. Organizado por diversos movimentos sociais, grupos, coletivos e entidades, o dia é de celebração e de luta, em espaços públicos, serviços de saúde mental e universidades. A data marca as mobilizações em torno do fechamento de manicômios e a formalização de novas legislações, a implantação da rede de saúde mental e atenção psicossocial e da instauração de novas práticas em um importante movimento de Reforma Psiquiátrica Brasileira, uma referência internacional.

Um dia antes (17), a Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial realiza sessão solene às 09h30, no Plenário Ulysses Guimarães, com a participação de Paulo Amarante, vice-presidente da Abrasco e pesquisador do Laboratório de Estudos em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (LAPS/ENSP/Fiocruz), de Tânia Inessa, José Alves, Lúcio Costa, Janice Carvalho, Roberto Giannini, Alexandre Wanderley, entre outros.

Com o lema “30 anos na Luta: Resistindo sem Temer” o ato organizado pelo Núcleo Estadual da Luta Antimanicomial do RJ (NEMLA-RJ) em parceria com o Fórum de Saúde do Rio de Janeiro e Frente Estadual Drogas e Direitos Humanos/RJ acontecerá na quinta-feira, 18/5, a partir das 13 horas, na Cinelândia, com passeata às 17 horas até o Largo da Carioca, onde se encerrará às 18 horas. O evento público contará com a realização de intervenções artísticas, oficinas e participações de poetas e grupos e blocos carnavalescos ligados à luta antimanicomial e à saúde mental. A atividade conta também com o apoio do LAPS/ENSP/Fiocruz, Centro Acadêmico de Psicologia PUC-Rio, Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro (CRP-RJ) e Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro (CRESS/RJ). Antes, às 9 horas, profissionais da Rede de Atenção Psicossocial da Zona Oeste carioca organizam a “Parada Louca”, no Calçadão de Campo Grande, com intervenções da Bike da prevenção (CAPS AD Julio César de Carvalho); Doutores da Alegria e Varal da Poesia (CAPS Lima Barreto); Promotores de Saúde e RAP da Saúde, juntamente com esquetes, palhaçaria e outras atividades.

Em São Paulo, os movimentos antimanicomiais do estado começarão as atividades às 12 horas no vão livre do MASP, com apresentações artísticas. A Marcha de Luta por uma Sociedade sem Manicômios tem saída prevista para às 14 horas, com manifestação em frente a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo programada para às 16h30.

Comments

comments