Carta-denúncia sobre o falecimento de Mário Travassos em clínica psiquiátrica privada no RJ

As entidades abaixo assinadas, participantes do movimento antimanicomial no Estado do Rio de Janeiro e no país, vêm reiterar a denúncia de que, no dia 13 de julho deste ano de 2017, o músico Mário Travassos, de 39 anos, foi internado e logo depois apareceu morto dentro da Clínica da Gávea, um hospital psiquiátrico convencional localizado na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro. Seu corpo foi encontrado no dia seguinte à internação psiquiátrica, com sinais de violência brutal, com o esmagamento do crânio e outros traumas. Sua família está indignada, denunciando o ocorrido e abrindo uma investigação policial em uma delegacia da cidade. O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ) já anunciou que vai abrir uma sindicância para apurar as circunstâncias da morte.

+ Leia a matéria Torturas, maus-tratos, mortes em hospitais psiquiátricos e abrigos. Até quando?

Este evento não constitui uma coincidência ou uma exceção trágica. Desde o final da década de 1970, os movimentos da Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial vêm denunciando essas instituições como locais de mortificação e de violação dos Direitos Humanos, e desde então vêm implementando serviços de Saúde Mental abertos, com todas as garantias de direitos.

Assim, viemos em primeiro lugar manifestar nossa solidariedade e apoio à família de Mário Travessos nesse momento tão difícil e marcado pela indignação que também é de todos nós. Em segundo, requeremos que as investigações policiais e a sindicância já anunciada pelo CREMERJ ocorram com todo o rigor na apuração das causas e dos responsáveis por tal ato. Além disso, conclamamos as demais entidades de profissionais do campo da Saúde Mental e dos Direitos Humanos que também reiterem e divulguem esta denúncia, que acompanhem esta investigação e que recolham denúncias de casos similares ocorrido naquela instituição para que se possa criar um quadro mais amplo das violações de direitos que eventualmente ali também ocorreram.

Rio de Janeiro, 31 de julho de 2017

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco
Associação Brasileira de Saúde Mental – Abrasme
Centro Brasileiro de Estudos em Saúde – Cebes
Coletivo Pró-Frente em Defesa do SUS e da Reforma Psiquiátrica – RJ
Conselho Regional de Serviço Social – Rio de Janeiro (CRESS)
Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial – LAPS/Fiocruz
Núcleo Estadual do Movimento Nacional da Luta Antimanicomial – Rio de Janeiro
Núcleo de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial – NEPS/UERJ
Projeto Transversões (Projeto de Pesquisa e Extensão “Saúde mental, desinstitucionalização e abordagens psicossociais”) – Escola de Serviço Social -ESS/UFRJ
Sindicato dos Psicólogos do Estado do Rio de Janeiro – SINDPSI-RJ

Comments

comments