Instituições de Longa Permanência para Idosos: falta de políticas e de recursos e preconceitos

A Ágora Abrasco abrigou mais um painel organizado pelo Grupo Temático (GT) Envelhecimento e Saúde Coletiva e, desta vez, as discussões abordaram as Instituições de Longa Permanência para Idosos, as ILPIs.

“O impacto da Covid-19 na saúde: a questão das instituições de longa permanência para idosos e das residências coletivas” teve a coordenação de Alexandre Kalache e Karla Giacomin, ambos do ILC Brasil e membros do GT. Karla Giacomin é a coordenadora da Frente Nacional de Fortalecimento das ILPIs. Os convidados foram José Araújo, conselheiro nacional de saúde pela Pastoral da Pessoa Idosa; Ariane Angioletti, vice-presidente do Conselho Estadual do Idoso de Santa Catarina; e Rachel Katz, coordenadora do Serviço Social da Unibes.

Ressaltando a importância da democracia participativa e dos conselhos, José Araújo contou que “das cerca de 115 mil mortes por Covid-19 no Brasil, aproximadamente 63 mil eram pessoas idosas e precisamos criar uma política nacional permanente de cuidados à pessoa idosa”.

Questões jurídicas das ILPIs foram abordadas por Ariane Angioletti, como aumento da inadimplência e problemas nas equipes de trabalho, por conta de afastamentos e questões trabalhistas. “Há ILPIs privadas no Brasil que não são de fato privadas. Quantas trabalham forçadamente como empresas privadas, mas que de fato trabalham como casa de assistência social?”, perguntou. A painelista comentou ainda sobre a proximidade das eleições. “Se a gente não conseguir colocar a questão dos idosos na pauta das eleições, a gente não consegue mais”, pontuou.

Rachel Katz destacou os desafios e estratégias durante a pandemia. “Nenhum dos nossos serviços fechou, elaboramos planos para atendimento à distância e não deixar o idoso ainda mais isolado”, disse. “É desafiador pensar no idoso, no profissional, no gestor, mas precisamos nos manter unidos e fortes”.

Karla Giacomin acredita que o momento é de quebrar preconceitos em relação à saúde dos idosos, pensar no cuidado e em alternativas, além da família e das ILPIs, lembrando que, na cidade de São Paulo, há somente cerca de 30 centros-dia para o cuidado aos idosos. Para Karla Giacomin, os desafios são a crise de identidade das ILPIs, a falta de informações no SUS e a integralidade do cuidado.

A integralidade no cuidado aos idosos, a falta de recursos e de diretrizes do governo, o medo e a não regulamentação da profissão de cuidadores também foram temas destacados por Alexandre Kalache. O coordenador do GT Envelhecimento e Saúde Coletiva da Abrasco ressaltou que a pandemia da Covid-19 escancarou não só desigualdades, mas também desinformação. Sobre preconceitos e a falta de tradição da sociedade brasileira de residência em instituições, Kalache afirmou: “Precisamos parar de culpar a família”.

Comments

comments

Deixe uma resposta