Presidentes da Abrasco apontam perspectivas para os próximos anos da Associação


“Uma maratona de presidentes”, definiu José da Rocha Carvalheiro, ao subir no púlpito do Auditório Carlyle Guerra de Macedo, na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), em Brasília. Na tarde de 23 de setembro de 2014, 10 pesquisadores que presidiram a Associação Brasileira de Saúde Coletiva lembraram cenários e fizeram avaliações dos caminhos que a Abrasco deverá percorrer para seguir com força política, consistência científica e acadêmica, e capacidade de influenciar os rumos da Saúde no Brasil, na sessão de celebração dos 35 anos da Associação.

A sessão foi coordenada por Carlos Silva, secretário executivo da Associação e Joaquim Molina, representante da OPAS/OMS no Brasil. Em sua saudação, Molina destacou  o orgulho da Organização em receber no mesmo edifício, quase 35 anos depois do dia 27 de setembro de 1979, data de fundação da então Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, grande parte de seus associados, dirigentes e funcionários. “Hoje a OPAS veste a sua melhor roupa na celebração dos 35 anos da Abrasco. Muito obrigado a todos”.

+ 35 anos: Presidentes da Abrasco apontam perspectivas para os próximos anos da Associação
+ 35 anos: Os braços e os corações que movimentam a Abrasco

Na sequencia, Carlos Silva fez o convite aos presidentes da Associação a tomarem assento na tribuna de honra e responderem a provocação de pensar os futuros provisórios da Saúde Coletiva e as possíveis perspectivas da Associação para os próximos 10 anos. Antes, foi exibido um vídeo com o depoimento da professora Cecília Minayo, que esteve à frente da Associação entre os anos de 1994 e 1996 e que, por motivos de saúde, não pôde comparecer à cerimônia.

“Sinto muito não estar com vocês, quero deixar um abraço para essa celebração vitoriosa. De minha parte, quero ressaltar o trabalho desenvolvido em prol da produção de conhecimento e formação de pessoas, no qual tenho investido por meio da revista Ciência e Saúde Coletiva, publicação da Abrasco que fará 20 anos em 2015”. Cecília adiantou que o periódico lançará um selo comemorativo e contará com uma nova seção, ao cargo dos pesquisadores Gilberto Hochman, da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), e Everardo Duarte, da Unicamp, dedicada aos construtores da Saúde Coletiva. Adiantou ainda o projeto de um número temático voltado ao debate da produção científica em Saúde, feito em conjunto com demais revistas do campo.

Em ordem alfabética, todos os presidentes vivos e presentes ao evento foram à tribuna e deram contribuições ao debate. Por motivo de sobreposição de agenda, a professora Rita Barradas Barata, que dirigiu a Associação entre 1996 a 2000, não pode compor a mesa. Confira abaixo pequenos trechos de cada fala:

Arlindo Fábio Gómez de Sousa: “Temos de pesar quantos porcento de nossas ações são um esforço de manter o já conquistado e o quanto de investimento garantem novas conquistas. A estratégia para concretização disso é difícil, pois o que se vê não acena com nenhum ponto de avanço dos nossos sonhos. […] Temos no Conselho Nacional de Saúde o privilégio de uma presidente como a Socorro e a capacidade de mobilização dos movimentos sociais. Faz-se momento de pensarmos numa estratégia que permita a eliminação de todos os entraves da situação atual e que isso se reflita numa mobilização interna dos associados da Abrasco e demais docentes e pesquisadores.”

Hésio de Albuquerque Cordeiro: “As questões fundamentais da Abrasco surgiram de consultores da OPAS, com o José Roberto Pereira, Juan Cesar Garcia e Maria Isabel Rodrigues. Esses três pilares geraram as demandas e conseguiram levar adiante as transformações do que foi a Saúde Pública para a Saúde Coletiva. Foi um esforço coletivo e, a partir daí, a participação da Abrasco foi fundamental na consolidação do campo. […] Pela manhã, debatemos a importância que tomou os processos de acreditação dos serviços e dos cursos, e acredito que essa estratégia deva ser estendida às universidades.”

José Carvalho de Noronha: “O que nos aproxima e nos afasta do futuro é a capacidade de fazer. Estamos em tempos de ousar e sonhar, mas nosso sonho não é uma utopia, e sim um sonho de uma sociedade capaz de concretizar, fazer a transformação com a base real. Mantivemos a ferro e fogo unidos os programas de Pós-graduação para alimentar a prática da teoria. Para mim, olhar o futuro é retomar, com entrada mais profunda, a concepção teórica que quer mudar o mundo.  […] Nosso trabalho deve voltar a centrar na formação de quadros técnicos e políticos que queiram disputar o poder e ser agentes políticos da mudança. Nossa ação tem de estar referenciada nessa formação, que revigora nosso tônus político. Para que esse futuro se concretize temos de retomar o que a Abrasco e o Cebes estão fazendo e manter contato com as forças políticas dos movimentos sociais.”

José da Rocha Carvalheiro: “Não dá para pensar o futuro sem rever o que passou. Temos de preservar o modelo dos congressos conjuntos entre as sociedades e escolas. Só assim construiremos a nossa política para que os nossos quadros possam executar, sejam do alto escalão aos trabalhadores das Unidades Básicas de Saúde.”

José da Silva Guedes: “Estivemos aqui em1979 para fazer nascer a Abrasco, com uma proposta simples, unindo os homens da universidade com aqueles que estão na ponta dos serviços, atendendo a população. […]A composição do Congresso Constituinte não era muito melhor do que temos hoje, mas éramos animados pelos ventos da redemocratização. Perdemos o bonde do SUS que foi para a rua, e hoje perdemos o contato com a população, com as massas. Nosso caminho é voltar a lutar politicamente pela saúde, temos de pensar no aprimoramento do ensino, dos profissionais, mas temos de conseguir estabelecer uma luta política dentro da Saúde e para a sociedade.”

Luiz Augusto Facchini: “Uma questão fundamental é a constituição da carreira de sanitarista, tanto pelo surgimento dos cursos de graduação em Saúde Coletiva, tanto pela relevância dos nossos cursos de Pós. Lutar por esse reconhecimento é fundamental para a expressão da inteligência da Saúde Coletiva para o SUS, pelo seu desenvolvimento e por melhorias e benefícios na saúde das populações de nosso país. Temos de buscar uma matriz integradora que ultrapasse os limites das caixinhas, que use todos os recursos tecnológicos, não só nas estratégias de formação, mas também para a pesquisa e para os agentes dos serviços, particularmente na Atenção Básica e na Estratégia Saúde da Família, que tem contato direto com esses desafios.”

Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza: “Temos de lutar por um projeto nacional de desenvolvimento que seja soberano e sustentável. No entanto, o cenário das eleições deixam as perspectivas incertas. No entanto, vemos a efervescência dos movimentos sociais e a existência de forte tensionamento social, mesmo que não perceptíveis. Daí a importância da nossa contribuição como entidade científica e política e que fortaleça a rearticulação das oito entidades componentes do movimento da Reforma Sanitária e demais entidades dos movimentos sociais vivos. Nossa articulação deve se dar pela disponibilização de formulações e sistematização de proposições que venham a colaborar com esses movimentos. […] Estamos no processo de organização do Abrascão, que será próximo da 15ª Conferência Nacional de Saúde. Temos de fazer do nosso congresso uma pré-conferência, com contribuições ao Plano Plurianual do próximo governo. […] No plano organizativo, a Abrasco ainda é tímida diante dos desafios. Na nossa penúltima assembleia aprovamos o aumento da diretoria e conselho, o que já é um sentido de fortalecimento. Estamos estruturando melhor a Secretaria Executiva e estamos testando na prática a Abrasco eventos. Tenho a convicção de que se conseguirmos permanecer unidos e atuantes teremos as condições de seguir vitoriosos.”

Moisés Goldbaum: “Vemos um esgotamento dos processos de avaliação da Capes, e nós, como indivíduos que trabalhamos as questões política, deveríamos estar trabalhando ativamente nessa questão. Isso implica também em reforçar a importância dos mestrados profissionais e buscar implantar os doutorados profissionais com programas desenhados em comum acordo entre ofertantes e demandantes, estimulando secretarias, ministério e até setores da iniciativa privada. […] Devemos nos mobilizar no sentido de recuperar e definir um plano diretor para a área de Ciência Tecnologia e Inovação em Saúde, com o pensamento da criação de uma agência. […] Temos também um importante desafio na divulgação dos nossos periódicos, tanto a Ciência e Saúde Coletiva como a Revista Brasileira de Epidemiologia. A sustentabilidade das publicações deve ser mantida e devemos trabalhar ativamente para internacionalizar as revistas. Aproveito e faço um apelo aos pareceristas e editores associados e aos pesquisadores, que sugiram trabalhos versando sobre o novo, e não apenas o mesmo do mesmo.”

Paulo Ernani Gadelha Vieira: “A prospecção deve ser contínua e um instrumento de ação política. Partimos de um cenário desejável e visões de fundamentação que permitiam chegar nesse cenário. Se a Abrasco não tiver uma agenda com capacidade de se reinventar, pensar o país e para onde estamos indo, teremos fracassado. Pensar o futuro da Abrasco é pensar seu agenciamento político. Aí tem escolhas a serem feitas. Acredito que não queremos a regressão da nossa visão de Saúde Coletiva com a visão antiga de Saúde Pública, nem que predomine a visão de cobertura universal como está sendo colocada nos debates públicos internacionais. Se a Abrasco não estiver envolvida nessas lutas ela terá fracassado.”

Sebastião Antônio Loureiro de Souza e Silva: “Como vai se encontrar um arranjo institucional para a nossa Associação que dê conta dessas várias estruturas, demandadas pela sociedade, e que vão aparecer demandas cada vez maiores? A Abrasco é vista como uma instituição eficiente porque faz o que se propõe. É um grande ator político na área da saúde. Logo, os desafios estão nas escolhas: da forma de organização, dos objetivos estratégicos e das alianças institucionais e políticas. A Abrasco poderia ser uma empresa pública, uma assessoria de planejamento e gestão, de avaliação de programas, de tecnologias e de implantação. É preciso definir uma estratégia para sua atuação e seu âmbito de atuação: nacional, internacional? Falta, talvez, um foco político e científico em áreas estratégicas: multi-inter-trans-disciplinares, como os sistemas complexos de saúde, as questões relacionadas à desigualdade e à discriminação, a violência, a crise ambiental e o viver urbano, mercado da doença, ética e promoção do consumo médico.”

Homenagem a Philadelpho de Siqueira: Na celebração de 35 anos, a Abrasco não poderia deixar de homenagear um dos seus mais importantes presidentes de sua história: o médico sanitarista Benedictus Philadelpho de Siqueira, falecido em 15 de julho deste ano.  Francisco Campos, docente da Universidade Federal de Minas Gerais e Secretário Executivo da Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) fez um belo discurso resgatando a trajetória de “Phila” e a sua própria.

“Estou entre aqueles que assinaram a ata de fundação  da Abrasco e estou emocionado de ser um daqueles que assinou. Certamente muitos se referiram ao Philadelpho, o nosso Phila, como tríplice coroado. Foram muitos cargos e honras que ele teve em sua carreira,todos frutos de uma militância libertária, que exercitava desde os tempos de presidência do Diretório Acadêmico da Faculdade de Medicina da UFMG. Foi a mestiçagem entre serviço e academia, algo raro e que Phila fazia com singular intercessão, a contribuição dele para o SUS ter sido criado como é. Convivi com ele desde que em engajei na sua campanha para diretor da Faculdade de Medicina e, ainda na época do telefone com fichas, o convenci a ser o primeiro presidente eleito da Abrasco. Foi a gestão dele que lançou a Associação com a repercussão e importância que alcançou e quero deixar um singelo abraço para a sua companheira, a professora Moema, tão emérita como ele, pela trajetória que fez na Faculdade de Administração.”

Emocionada, Moema de Siqueira recebeu a escultura com o símbolo da Associação e agradeceu à homenagem. “Queria dar os parabéns para todos vocês, pois a Abrasco é uma conquistada sociedade brasileira. O Phila tinha o maior orgulho da Abrasco e, se ele não conseguiu ser um produtor de escritos como desejou, eu garanto que ele realmente foi um apóstolo do direito à saúde e lutou por isso com todo o empenho. Em meu nome e de minha família, agradeço essa homenagem, que é uma resposta a uma luta que ele encarou até o ultimo momento, por uma saúde com qualidade, ética e respeito. Muito obrigado.”

Confira aqui a galeria das gestões e dos presidentes da Abrasco

Comments

comments

3 comentários sobre “Presidentes da Abrasco apontam perspectivas para os próximos anos da Associação