Em Brasília, Rosana Onocko afirma: “O PNI foi um dos mortos da pandemia”

A luta por um outro olhar para a questão da Saúde tomou corpo e forma esta semana em Brasília. Entidades da Saúde e da Reforma Sanitária se reuniram para uma série de atividades que convocam para uma maior mobilização em defesa da saúde da população e do combate às desigualdades. 

Na última quarta-feira (29), a OPAS/OMS, em parceria com organizações da ONU, com o Conselho Nacional de Saúde (CNS), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) lançaram a campanha Vacina Mais. A campanha aproveita o ano eleitoral para chamar a atenção da população para a importância de uma maior cobertura vacinal, visto que a vacinação é uma das intervenções de saúde pública mais eficazes e custo-efetivas para salvar vidas.

Presente no lançamento e representando a Frente Pela Vida e a Abrasco, a presidente Rosana Onocko reforçou a importância do Plano Nacional de Imunização (PNI), no contexto em que vivemos. “Eu costumo dizer que o Plano Nacional de Imunização foi um dos mortos da pandemia. E nós precisamos fazer reviver o PNI. Me deixa contente ver que a sociedade civil brasileira está organizada para retomar um patrimônio brasileiro, anterior ao SUS, que nunca deveria ter se perdido”, disse. Rosana também reforçou a importância de rompermos com as barreiras de acesso à vacinação e do resgate da nossa soberania tecnológica, somando voz às reivindicações da presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade. 

Já na 331ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde, que aconteceu nos dias 29 e 30 de junho, Rosana reforçou a importância da atuação das instituições da Reforma Sanitária e da Frente pela Vida no contexto da pandemia e às vésperas das eleições: “Nós fizemos o esforço de resgatar o sentido político da Saúde como um grande compromisso na defesa dos Direitos Humanos, no combate às iniquidades, ao racismo, às desigualdades. Essas questões atravessam e perpassam os problemas que hoje tem nosso sistema de saúde e a saúde da população”.

Rosana também reforça a importância desses espaços de produção política para o debate público, chamando a atenção para a
Conferência Nacional Livre, Democrática e Popular de Saúde, que acontece no dia 5 de agosto, em São Paulo. “Pretendemos fortalecer o cenário da mobilização política, para engajar mais setores na discussão da problemática da Saúde, tentando interferir no processo eleitoral para que que os candidatos e as candidatas sejam obrigadas a escutar o que nós, entidades da saúde, temos a dizer e  a reivindicar para a defesa da vida, da Saúde e do SUS no Brasil.” afirma a presidente da Abrasco. 

Eventos preparatórios para a Conferência Livre, Democrática e Popular de Saúde já estão acontecendo. A partir da conferência serão escolhidos os delegados e o documento final que será apresentado na 17ª Conferência Nacional de Saúde, que acontece em 2023. Clique aqui e saiba como organizar sua Conferência Preparatória.

Comments

comments

Deixe um comentário