Colóquio debate uso de dados na projeção de respostas à pandemia

O uso dos dados na orientação das medidas para lidar com a pandemia foi o centro do debate promovido pela Ágora Abrasco no colóquio De que informações precisamos para orientar as estratégias de enfrentamento?. Por meio do cruzamento dos números de casos, óbitos e outros indicadores de saúde com as datas das intervenções, especialistas vão buscando modelos para fazer previsões e projetar novas medidas de intervenção, inclusive as formas como pode se dar a saída do isolamento social. A atividade contou com a participação de Marcelo Gomes (PROCC/Fiocruz), Renato Mendes Coutinho (UFABC e Observatório Covid BR) e Roberto Andrade (Cidacs/Fiocruz – BA), e a coordenação foi de Maria Amélia Veras (Comissão de Epidemiologia da Abrasco e Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo).

Quem abriu o debate foi pesquisador Marcelo Gomes que ressaltou a necessidade de encarar os dados como bens públicos fundamentais para a gestão da saúde e que “podem ser trabalhados em nível agregado respeitando questões de privacidade”. Marcelo trouxe dados sobre a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e registros do Sivep-Gripe que mostram um aumento substancial nos casos de SRAG. Esses dados, segundo o pesquisador, são importantes para tentarmos ver os casos de coronavírus que podem estar nesses dados e também medir o impacto de SRAG na rede hospitalar. Além disso, Marcelo ressaltou a demora na digitação dos dados que acaba gerando um atraso na notificação e dificulta respostas imediatas. Por conta disso ele explicou que “no infogripe, nós desenvolvemos um modelo estatístico que leva em conta um padrão histórico dessa demora entre os primeiros sintomas até a digitação, para conseguir fazer uma estimativa do que já aconteceu mas ainda não foi para o banco de dados”. Marcelo apontou que seria importante colher dados mapeando o perfil de contato das pessoas: “Com isso conseguiríamos ter estimativa das interações de cada um desses ambientes”. Por fim, ressaltou a importância de tornar públicos dados de aplicativos de circulação de carros e pessoas para avaliação do impacto da mobilidade na pandemia, resguardando a privacidade dos usuários.

Em seguida, Renato Coutinho começou explicando que o “modelo epidemiológico permite você fazer previsão de cenários e ver o que pode acontecer com escola e outros ambientes [sociais] dentro de uma escala de tempo”. Testes e bases de dados foram colocados pelo pesquisador como essencial para desenvolver os modelos e conseguir chegar a medidas eficazes no controle da pandemia: “O que os modelos podem auxiliar? Eles ajudam nas medidas a serem adotadas, como quarentena, maior rastreamento de casos e outros cenários que podem ser construídos a fim de evitar um novo pico”. Diante das dificuldades de dados em tempo real para a Covid-19, Renato também ponderou que os dados de SRAG podem ser importantes: “Acompanhar SRAG pode ter problema por não ser tudo Covid-19, mas pode ser um bom indicador de tendências”.

Roberto Andrade trouxe estudos realizados na Bahia com o grupo de modelagem da Rede Covida com as informações que estão coletando para orientar as estratégias de enfrentamento da Covid-19 na Bahia. Segundo o pesquisador, “o objetivo é sempre procurar determinados valores ótimos dos parâmetros para poder rodar com certa consistência e isso nos leva a uma necessidade de atualização constante dos parâmetros”. Para buscar uma caracterização, Roberto expôs que parte dos dados coletados são do exterior e outra parte vem de fontes nacionais. A ideia é ver a tendência de contaminação local e avaliar intervenções no fluxo de pessoas entre os municípios: “O resultado desse modelo mostra que a questão do fluxo [entre municípios] teria sido relevante logo no início da epidemia. Quanto mais tempo passa, menor a influência disso. Porque a eventual ida de uma pessoa para um local não contaminado já não existe, porque todos os locais estão contaminados”.

O epidemiologista Claudio Struchiner deu sequência ao debate falando sobre as duas ações que têm sido feitas diante da pandemia: “Temos dois botões: o do distanciamento social e o de teste e rastreamento. Os países têm se diferenciado na forma como apertam esses botões”. Segundo ele, quando um epidemiologista se depara com a situação de necessidade de estimar uma certa grandeza e as ferramentas existentes possuem várias limitações (como a falta de testagem, a demora na atualização de dados e outras questões) a “reação inicial é o desenhar um estudo, ir a campo e estimar essas grandezas que são necessárias”. Cláudio apresentou as discussões acerca de alguns modelos de testagem e como calcular o número de possíveis transmissores do vírus. Nas duas possibilidades, o pesquisador apontou que podem existir problemas. Nos testes, a dificuldade seria fazê-los na quantidade necessária para isolar as pessoas contaminadas. Já com dados hospitalares, também já foi visto que podem ser falhos e ter atrasos e imprecisões. Mais adiante foi destacada o pesquisador também expôs questões relacionadas a possíveis quadros vacinais e drogas que poderiam ser utilizadas.

O colóquio prosseguiu com muitas falas solicitando esclarecimentos sobre os modelos e perspectivas apresentadas e uma avaliação geral de que todos os países foram pegos de surpresa, mesmo os que apresentaram quadros de infecções em massa por último. Além disso, a dificuldade de notificação tem feito com que a atuação e as respostas sejam das “às cegas” como destacou José Cássio de Moraes da Comissão de Epidemiologia da Abrasco. Ao final, a presidente da Abrasco, Gulnar Azevedo, destacou a situação política atual do país, caracterizando-a como limite por conta das tensões causadas pelo presidente da República. Gulnar ressaltou ainda a importância de reafirmar a ciência como elemento que deve nortear as ações de resposta à pandemia.

Assista a íntegra do Colóquio na TV Abrasco:

Comments

comments

Deixe uma resposta