“Chamar essa vacina de chinesa é uma tolice”, destaca Reinaldo Guimarães à imprensa

O debate acerca da aquisição da vacina da Covid-19 ganhou grande repercussão em toda a sociedade após o presidente da República declarar que o Ministério da Saúde não compraria lotes da vacina chinesa produzida em parceria pela empresa chinesa Sinovac com o Instituto Butantã do estado de São Paulo. A posição da Abrasco já foi apontada em nota em que a entidade defende que todas as vacinas aprovadas pela Anvisa sejam incorporadas pelo SUS. Por conta da repercussão e do debate sobre o tema, o vice-presidente da Abrasco, Reinaldo Guimarães, falou com veículos de imprensa sobre o tema.

No jornal Brasil de Fato, Reinaldo falou sobre a importância das vacinas aprovadas serem incorporadas pelo SUS: “No meu ponto de vista, todas as vacinas que forem aprovadas têm que ser incorporadas ao Sistema Único de Saúde. O que significa que uma vacina que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) registre pode ser comercializada no país, mas tem um passo seguinte: ela tem de ser incorporada no Sistema Único de Saúde, o que não é a Anvisa que faz. Quem faz é uma comissão chamada Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias, o Conitec”.

Já ao site Tutameia, Reinaldo alertou sobre a capacidade de produção da vacina e indicou o que poderia atrapalhar a distribuição e a vacinação: “Mas não estamos tão bem com a capacidade desse conjunto de instituições funcionar a 100% da sua carga e da sua competência em função de entraves de caráter político, como a gente já está vendo o presidente fazer. O Programa Nacional de Imunização tem uma enorme experiência com logística. Trabalha com 30 mil, 40 mil salas de vacinação nas campanhas nacionais. Sabe fazer isso. Quem pode atrapalhar? Mais uma vez, o presidente da República”.

Já ao jornal da TVT, o vice-presidente da Abrasco falou sobre a falsa polêmica sobre a vacina chinesa: “Chamar essa vacina de chinesa é uma tolice. Hoje em dia, 90% de todos os princípios ativos de medicamentos no Brasil vêm da China. Eu costumo dizer que, muito provavelmente, o medicamento que o presidente da república gosta muito, a cloroquina, também vem da China”. A fala de Reinaldo Guimarães pode ser vista no vídeo abaixo a partir de 1’18” do vídeo.

Confira a entrevista de Reinaldo Guimarães ao site Tutaméia na íntegra:

Comments

comments

Deixe uma resposta