Ciência aberta e escassez de recursos: desafios para os novos representantes dos editores no Comitê Consultivo SciELO Brasil

Foto: Peter Illiciev/Fiocruz Imagens

O Comitê Consultivo SciELO Brasil tem novos representantes na área de Ciências da Saúde, e eles são da Saúde Coletiva. Moisés Goldbaum, editor da Revista Brasileira de Epidemiologia (RBE), periódico editado pela Abrasco, foi reeleito à vaga de representante titular. Junto com ele, Leila Posenato Garcia, editora da Epidemiologia e Serviços de Saúde (RESS), assume como representante suplente. 

Responsável pela formulação e aplicação das políticas e critérios de avaliação de periódicos científicos para inclusão e permanência na coleção, o Comitê Consultivo da Coleção SciELO Brasil é formado por editores-chefes de periódicos das áreas. A eleição entre os editores ocorre a cada dois anos.

Para Leila Posenato Garcia, o aprimoramento dos periódicos da coleção é uma importante ação para a área da Saúde. “O Programa SciELO tem critérios rigorosos para a entrada e permanência das revistas, que são periodicamente revisadas. Isso faz com que as equipes editoriais devam trabalhar constantemente para atender os critérios da coleção”.

A editora da Epidemiologia e Serviços de Saúde disse que há mais exigências hoje sobre procedimentos relativos à ciência aberta, com destaque para políticas de incentivo à abertura de dados de pesquisa.

“A equipe do SciELO trabalha muito para dar suporte às revistas indexadas, o que inclui a manutenção do portal no qual as revistas são acessadas, a atribuição do DOI, a produção de indicadores de citação, além de iniciativas para a divulgação das revistas, a exemplo da parceria com a agência Bori e o Blog SciELO”, ressaltou.

A falta de investimentos em Ciência e Tecnologia no país faz com que o financiamento seja um dos maiores desafios das publicações científicas, incluindo as da área da Saúde Coletiva. O Programa SciELO é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o suporte às revistas é ofertado sem qualquer custo. Leila Posenato Garcia pontuou que a escassez de recursos compromete a manutenção e o desenvolvimento dos periódicos científicos.

“Algumas revistas, sem alternativas, têm passado a cobrar taxas dos autores para a publicação de artigos. Nesse contexto, creio que um grande desafio é permitir que as revistas da Saúde Coletiva, tenham garantidos sua manutenção e aprimoramento, ao mesmo tempo em que a publicação de artigos seja acessível aos autores”.

Para a editora, outro desafio será continuar a fortalecer o conjunto de revistas da Saúde Coletiva, de modo que “mais revistas da área possam alcançar os critérios para indexação na Coleção SciELO Brasil”, concluiu.

Comments

comments




Comments

comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *