Área da Saúde Coletiva mantém liderança de citações no Google Acadêmico em português

Uma relevância que se mantém e ganha novo fôlego. Divulgado no último dia 05, o ranking das publicações mais citadas na base Google Acadêmico (ou Google Scholar, no original, em inglês) traz novamente as revistas da área da Saúde Coletiva como os periódicos de língua portuguesa com o maior fator de impacto nesta base. O pódio manteve-se igual ao do ano passado, trazendo nas três primeiras posições as revistas Ciência & Saúde Coletiva (índice H5 46; mediana H5 57); Cadernos de Saúde Pública (índice H5 41; mediana H5 50) e Revista de Saúde Pública (índice H5 36; mediana H5 47). A força da área pode ser também avaliada pelo desempenho ascendente das demais publicações do campo. Outras quatro revistas estão entre as 20 primeiras publicações. São elas Revista Brasileira de Epidemiologia, na 13ª posição; Saúde e Sociedade na 14ª; Interface – Comunicação, Saúde, Educação na 15ª, e Epidemiologia e Serviços de Saúde na 18ª posição. Tanto Ciência & Saúde Coletiva como Revista Brasileira de Epidemiologia são editadas pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco, e todos os veículos citados compõem o Fórum de Editores em Saúde Coletiva.

+ Acesse aqui o ranking do Google Acadêmico com as publicações em português
+ Confira aqui a matéria sobre o ranking de 2016

O novo ranking divulgado pelo Google Acadêmico cobre as citações de artigos publicados nas revistas indexadas nesta base entre os anos de 2012 e 2016, contando as citações até junho de 2017. O Google Scholar foi lançado em 2004 e passou a oferecer resultados em língua portuguesa a partir de 2006. Para uniformizar a mensuração, tomou como métrica o Índice H, criado em 2005 pelo físico Jorge E. Hirsch, e também utilizado por outras bases, como a Web of Science. Este indicador representa o maior número de citações com maior ou igual número de citações por artigo único em um determinado intervalo de tempo. No caso do Google Acadêmico, o intervalo de mensuração é de cinco anos (por isso,o nome H5). Já a mediana H5 é uma medida da distribuição de citações entre os artigos de maior citação, que compõem o H-núcleo. Estão excluídos dos cruzamentos citações feitas em livros, dissertações e monografias. Também não compõem base de análise publicações com menos de 100 artigos ao ano e/ou que não tenham citação em outras revistas. Dentre as suas potencialidades, o ranking do Google Acadêmico permite identificar as publicações mais citadas por área de conhecimento e por língua de origem do periódico, possibilitando uma leitura mais completa da qualidade e do desempenho das publicações. O pódio mundial também segue inalterado, com as mesmas colocações alcançadas no ano passado pelas revistas Nature; The New England Journal of Medicine, e Science nas três primeiras posições, seguidas por The Lancet.

+ Acesse aqui o ranking do Google Acadêmico com as publicações em inglês

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *