Encerramento do Simbravisa aprova moção acerca do PARA/2013-2015 e celebra 15 anos do GT


Uma sala cheia na cerimônia de encerramento não é para qualquer evento. É uma demonstração da afinação do público com a proposta e com os debates apresentados ao longo de cinco dias.Em um salão Ondina quase completamente ocupado foi finalizada a sétima edição do Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária – 7º Simbravisa – na tarde de 30 de novembro, em Salvador.

A cerimônia foi aberta pela presidente do simpósio, Gisélia Santana Souza, que convocou para a mesa Daniella Guimarães, coordenadora da comissão cultural; Ana Cristina Souto, coordenadora da comissão científica; Ita de Cácia Aguiar Cunha, Superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde da SESAB e integrante da comissão local; Carlos Silva, secretário executivo da Abrasco e Luiz Quitério e Edna Coven, representantes do GT Visa Abrasco.

“Quando disse que esse Simbravisa foi uma construção coletiva, é verdade. Foi um trabalho a muitas mãos. Em que pese todo o universo parecer conspirar que não tenhamos projetos coletivos e trabalhar unicamente no plano da individualidade e falta de solidariedade, vemos que trabalhamos numa área em que as pessoas ainda acreditam num mundo melhor, num país melhor e numa Visa comprometida. Esse Simbravisa superou todas as nossas expectativas”, disse Gisélia.

Na sequência, Daniella Guimarães introduziu a prévia do vídeo de memória dos 15 anos do GT Visa. A produção, capitaneada pelo setor de Comunicação da Abrasco e produzido pela TV Abrasco/Ninoca Comunicações exibiu as primeiras declarações colhidas com integrantes e ex-integrantes do coletivo, contando um pouco da história, desafios e particularidades que definem e dão personalidade a esse coletivo.

Dando prosseguimento, foi a vez da premiação das três melhores fotos do projeto Visa em Foco, produzido pelo Centro Colaborador em Vigilância Sanitária da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) e apresentado por Lenice Reis. As imagens produzidas mostram o cotidiano da atividade da Visa e foram eleitas pelo público. Janete Teixeira Duarte (INCQS/Fiocruz); Laura Marcia (Secretaria Municipal de Saúde de Uruguaiana/RS); e Antônio Cesar (Secretaria Municipal de Saúde de Rio Grande/RS) ganharam, respectivamente, os primeiro, segundo e terceiro colocados, sendo agraciados com um conjunto de livros e a inscrição para o próximo Simbravisa para Janete.

São duas as candidaturas que se apresentaram para sede da oitava edição do Simpósio. Ana Maria Oliveira (SES-MG) defendeu a proposição de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, e Renata Rodrigues (SES-MS), de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. As candidaturas serão avaliadas pelo GT Visa e Secretaria Executiva da Abrasco, levando em consideração condições logísticas, vinculação com as universidades e serviços locais, calendário, entre outros.

Moções e números finais: O debate político e social que estrutura o campo da Saúde Coletiva e que atravessou todo o Simbravisa deu o tom final à cerimônia. Foi formalizada o posicionamento contrário do Simpósio à PEC 55, aprovada em primeiro turno no Senado Federal no dia anterior (29), com a leitura e o apoio ao Manifesto do Fórum da Reforma Sanitária contra a PEC 241, último documento oficial do movimento sanitário sobre o tema. A salva de palmas após a leitura do texto por Carlos Silva deu como aprovada a proposição – Clique e leia na íntegra.

Outro tema em evidência ao longo de todo o evento foi o novo relatório do Programa de Análise de Resíduo de Agrotóxicos em alimentos (PARA/2013-2015), divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa – no último 25 de novembro. Após a leitura de Luiz Quitério, a plenária aprovou por aclamação o manifesto produzido durante o evento que critica a fragilização do Programa e as escolhas metodológicas utilizadas pelo relatório – Clique e leia na íntegra.

“Fizemos um simpósio com reflexão crítica, de confronto em relação à realidade. O que esperávamos era politizar, dar condições de fazer análises concretas e objetivas da realidade e fortalecer a luta pelo SUS e pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. Foi um simpósio vivo, pulsante, de debate e elevação do nível de consciência dos participantes”, arrematou Gisélia.

A presidente apresentou ainda os números do evento. Inscreveram-se 1.443 pessoas, com presença efetiva de 1.257. Dos 1.109 trabalhos submetidos, 821 compuseram as 31 sessões de discussões temáticas e 53 foram apresentados nas oito sessões de comunicações coordenadas, com 190 recusas e 45 cancelamentos. A maior participação foi do estado da Bahia, com 543 participantes, seguido de Rio de Janeiro (140), São Paulo (114), Paraná (103) e Distrito Federal (101).

Gisélia agradeceu ainda aos 35 estudantes selecionados em edital que trabalharam como voluntários, podendo contribuir tanto para a formação como para a fortalecimento do Simbravisa. Uma breve rodada de agradecimentos, os membros da mesa destacaram diversas pessoas e parcerias que fizeram possível o 7º Simbravisa. Houve ainda uma fala de agradecimento de Maria Laura Carvalho Bicca, conselheira nacional de saúde, pelo espaço cedido à entidade para a construção da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde, a ser realizada no segundo semestre de 2017.

Ao final, o secretário executivo da Abrasco agradeceu a cada um dos participantes e às equipes de participação e construção do evento, tanto os parceiros e profissionais da Associação, como à Sesab e à Anvisa. As fichas de avaliação serão tabuladas e os anais serão em breve divulgados. “Quero agradecer ao GT Visa pela oportunidade que vocês têm dado à Abrasco de trabalharmos juntos. Não está fácil fazer os eventos nessa atual conjuntura e contexto, mas eles são importantíssimos, para nos alimentarmos dessa força e garra que vimos aqui nesses dias. Se não temos recursos, isso não nos desanima de nos encontrarmos, estarmos juntos e levantar nossas bandeiras. O nosso muito obrigado”.

Comments

comments