Paulo Buss recebe prêmio da Federação Mundial das Associações de Saúde Pública


O presidente da Fiocruz, o sanitarista Paulo Buss, recebeu na quarta-feira, dia 23 de agosto, o Hugh Rodman Leavell Lecture Award, concedido pela Federação Mundial das Associações de Saúde Pública, a mais importante e conceituada instituição do gênero, que reúne cerca de 70 associações do mundo todo. Ao receber o prêmio, Buss fez um discurso em que cobrou um empenho maior dos governos na busca pela equidade. Entre outros dados, apresentou números que demonstram os expressivos desníveis de gastos entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos.

De acordo com Buss, o gasto militar per capita nos Estados Unidos é de US$ 1.217,00, enquanto que o montante destinado à ajuda a países pobres não passa de US$ 46,00, com apenas 23% desse total tendo como endereço os mais necessitados. No caso da União Européia, são US$ 358 per capita para gastos militares e somente US$ 61 para ajuda externa. Essa discrepância gera números como os da África subsaariana, região em que 33% da população é considerada subnutrida, proporção que na área central do continente alcança 55%. Outro indicador importante é o da mortalidade infantil, que se nos países de alta renda é de seis por mil nascidos vivos, nos países pobres alcança o número de 100 por mil.

“Diante de números como esses, que revelam um planeta profundamente desigual, não se pode cruzar os braços. O enfrentamento da iniquidade deveria ser adotado por todos os partidos políticos. Precisamos mostrar indignação frente à iniquidade, por meio de ações globais, nacionais e locais. Essa é uma tarefa de todos”, diz Buss.

Buss afirma que a Saúde Pública, como campo de conhecimento e prática social, sempre esteve diante de grandes desafios. No omento, as maiores questões a serem enfrentadas são a globalização e a pobreza. Assumindo uma tese que é corrente entre pensadores sociais de todo o mundo, o presidente da Fiocruz afirma que a liberação global do comércio vem favorecendo os países que já são ricos, em prejuízo das nações pobres. “A globalização fortalece o cisma existente entre os países e expõe o grande déficit democrático de governança que se verifica em todos os quadrantes”, lamentou Buss, acrescentando que, a continuar essa situação, dificilmente as chamadas Metas do Milênio da ONU serão cumpridas até 2015. 

Comments

comments

Deixe uma resposta