Gastão Wagner debate com comissão local a organização do Abrascão 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com uma injeção de ânimo e uma chamada coletiva à responsabilidade, Gastão Wagner de Sousa Campos, professor titular do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Campinas (DSC/FCM/Unicamp) e presidente da Abrasco, liderou a reunião da Comissão de Organização Local do 12ª Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva – Abrascão 2018 – realizada na última quinta-feira, 25, na residência oficial da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

Estiveram presentes representantes de todas as instituições parceiras do Congresso, que será realizado entre os dias 26 e 29 de julho deste ano, na sede da Fundação, Zona Norte do Rio. A seis meses do evento, Gastão informou as deliberações da última reunião da Comissão Científica, realizada em dezembro passado, e repassou o andamento das ações e deliberações necessárias para este Abrascão 2018, o maior congresso de Saúde Pública da América Latina do ano.

+ Inscreva-se no maior congresso do campo da Saúde
+ Submeta seu trabalho. Prazo final é 21 de fevereiro
+ Comissão Científica avança nas definições do Abrascão 2018

“Acho que os congressistas não podem vir com um sentimento de quem vem para uma colônia de férias. Anseio por um espírito de participação [dos associados e congressistas], que as pessoas sintam que o congresso é nosso”, disse Gastão ao abrir a reunião. Ele frisou também os motes científico – Fortalecer o SUS, os direitos e a democracia – e organizativo – diversidade e inclusão – como elementos centrais do campo da Saúde Coletiva. Para ele, é momento de concentrar as ideias e fazer delas realidade da maneira mais factível ao orçamento – a ser gerado principalmente pelo valor das inscrições de congressistas – e à tradição crítica do campo.

+ Leia a entrevista completa com Gastão Wagner sobre os anseios para o Abrascão e o contexto das eleições 2018 

No mesmo sentido, Guilherme Franco Netto, dirigente da entidade e coordenador da Comissão, clamou por uma concentração de esforços na reta final. “Tem que ter compromisso e colocar a mão na massa”, sintetizou ao final de sua fala. Franco Netto e Thiago Barreto, secretário executivo da Abrasco, junto com suas equipes assessoras, irão acompanhar reuniões e deliberações das subcomissões com o intuito de identificar as propostas de maior potencial, assim como os gargalos a serem resolvidos, e desenhar o planejamento operativo do Abrascão.

Após as falas iniciais dos três dirigentes, coordenadores e integrantes das subcomissões relataram os andamentos e apresentaram propostas e demandas. Ao longo dos informes e da identificação das limitações, novos membros foram adicionados aos grupos, já com funções específicas para solucionar demandas postas e previstas. Todas as subcomissões saíram com indicativos de reuniões operativas e com a responsabilidade de informar à coordenação executiva. Ao longo das inscrições, diretores de instituições parcerias e co-realizadoras do Abrascão, como Rodrigo Murtinho (ICICT/Fiocruz), Aluísio Gomes da Silva Junior (ISC/UFF) e Maria de Lourdes Cavalcanti (IESC/UFRJ), reforçaram seus compromissos e de suas instituições com o evento, oferecendo importantes aportes de organização e infraestrutura. Confira abaixo as principais decisões e encaminhamentos das subcomissões:

Mobilização Social: Caberá a esta comissão promover os espaços de interação entre os diversos movimentos sociais, coletivos e entidades da sociedade civil que estarão presentes no evento. As tendas deverão também pautar a saúde brasileira em ano de eleições, abrindo espaço democrático para diferentes candidatos, em atividades paralelas às da programação científica. É responsabilidade também da Mobilização junto com às direções das instituições parceiras a organização de hospedagens solidárias e de alocação dos graduandos nos alojamentos universitários na Ilha do Fundão e em Niterói, bem como dos voluntários para atividades de apoio.

Infraestrutura e Finanças: Já está em fase final a definição das grandes estruturas necessárias para a realização do evento e o desenho do croqui de segurança, com definição de rotas de acesso e transporte; participação e localização de bombeiros, paramédicos e rotinas de limpeza. Haverá cerca de 200 ônibus direta ou indiretamente em função do evento, com um sistema de bolsões para paradas próximas ao campus, e limitação de carros de passeio particulares ou vinculados à aplicativos no campus Manguinhos. A recomendação é clara: Utilize o transporte público de massa (ônibus, trem e metrô) para se deslocar até os pontos de integração, ainda a serem definidos e amplamente divulgados.

Comunicação: Já estão em circulação as principais peças eletrônicas de divulgação do prazo de submissão de trabalhos, que se encerra em 21 de fevereiro, bem como anúncios a serem alocados nos sites de instituições parcerias. Uma nova leva de artes evidenciará o transporte coletivo e a hospedagem solidária, entre outros prazos e informações. Haverá também uma plataforma para credenciamento de imprensa, tanto para veículos comerciais, institucionais, dos movimentos sociais como para comunicadores em saúde autônomos, que alimentam e mantêm blogues e sites. Vinculação temática e comprovação de atividade regular de publicação serão elementos obrigatórios para o credenciamento.

Cultural: Três eixos centrais foram diretamente encaminhados pelo presidente da Abrasco à subcomissão. Produções artísticas em variados suportes irão mostrar a força e a diversidade da Saúde Coletiva, num trabalho em estreita colaboração com movimentos da Saúde Mental, do campo e da cidade. Nas apresentações teatrais e musicais, serão valorizados as sonoridades, cores e vozes das comunidades periféricas ao campus da Fiocruz, notadamente Manguinhos, Maré e Jacaré, num diálogo capitaneado pelo setor de Cooperação Social da Fiocruz. O terceiro eixo valorizará a história da ciência e da Fiocruz, construído em sintonia com a presidência da Fundação e o Museu da Vida.

Comments

comments

Deixe uma resposta