Alimentação no Abrascão 2018: Saiba onde comer

Campo científico; dimensão do cuidado; inclusão social e prazer em saborear e compartilhar. A alimentação é tudo isso e muito mais, sendo um tema de especial atenção no 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva – Abrascão 2018.

O desafio de organizar um evento no porte do congresso passa pela preocupação em alimentar mais de 7 mil participantes que vão ocupar todo o campus Manguinhos entre 26 e 29 de julho. Para isso, foi criada uma comissão de alimentação, formada por integrantes do Grupo Temático Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva (GT ANSC/Abrasco), do Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (INU/Uerj) e da ASFOC/SN. Eles estiveram reunidos ao longo dos últimos seis meses para organizar e oferecer o maior e melhor número de opções possíveis, contemplando as estruturas já disponíveis no campus e buscando imprimir uma prática na oferta de alimentos alinhada ao debate dos campos da Nutrição e da Saúde Coletiva.

“A organização da alimentação no Abrascão tem como principal premissa a oferta de “comida de verdade” para os congressistas e a promoção de espaços para uma comensalidade – que é o ato de comer em conjunto e com qualidade – descentralizada, ou seja, em vários espaços. Neste sentido, fez-se parceria com pequenos produtores agroecológicos, com moradores da Maré e de Manguinhos e outras pessoas que trabalham com alimentação na cidade do Rio de Janeiro. Além disso, buscamos estimular que restaurantes e lanchonetes já sediados no campus da Fiocruz promovam a alimentação saudável, não fornecendo alimentos e bebidas ultraprocessados”, explica Daniela Canella, professora do INU-Uerj.

Ao todo são oito áreas identificadas no mapa do Abrascão 2018. Confira abaixo a descrição dos espaços e a oferta dos mesmos.

Setor A: Área da Grandes Tendas, Credenciamento e Espaço de convivência – Terá 3 pontos de alimentação: 
Restaurante Biomanguinhos/CTV: – Serviço self-service com carne e suco porcionados, a preço fixo.
Lanchonete do campo de futebol: salgados diversos e café.
– Feira de Alimentação: Cerca de 15 barracas, com crepe, espetinho, salgados árabes, sanduíche e doces.

Setor B: Pavilhão Rocha Lima; INI (IPEC) e Pavilhão Leônidas Deane – Não terá ponto de alimentação – Os mais próximos são os do setor A.

Setor C: INCQS;  COGIC (DIRAC) e COGIC (DIRAC)/ Serviço de Segurança – Não terá ponto de alimentação – Os mais próximos são os dos setores D e E.

Setor D: EPSJV (Escola Politécnica) e ENSP –  Terá 1 ponto de alimentação:
– Feira de alimentação (D50): Cerca de 24 barracas, com presença de pequenos produtores agroecológicos e de moradores do território de Manguinhos que tradicionalmente trabalham com alimentação: refeições completas (em quentinha) e comidas rápidas, como tapioca, salgados e doces.

Setor E: Museu da Vida; Tenda da Ciência e Epidauro; Centro de Recepção de Visitantes, e ICICT – Terá 2 pontos de alimentação:
Quadra (E36 – ao lado do Museu da Vida e atrás da Garagem Central): Um restaurante montado, com serviço self-service com carne e suco porcionados, a preço fixo, e a lanchonete da quadra, com salgados diversos e café.
Café do Trenzinho (E13): Pratos a la carte, salgados, doces e café.

Setor F: NUST e ASFOC e Pavilhão Arthur Neiva – Terá 2 pontos de alimentação:
ASFOC (F11): No térreo, a cafeteria da ASFOC, com pratos a la carte, salgados, doces e café; no primeiro pavimento, o bandejão, com serviço self-service com carne porcionada, a preço fixo; e o restaurante, com bufê com balança (comida a quilo).
Restaurante Tia Penha (F12): bufê com balança (comida a quilo).

Nos dias do congresso, será importante organização: busque se alimentar nas áreas mais próximas à atividade onde irá participar; procure os horários de menor fluxo para haver menos confusão, e seja solidária e solidário com os trabalhadores da alimentação.

+ Não há caixas eletrônicos dentro da Fiocruz – nem no entorno, e alguns estabelecimentos que fornecerão comida não aceitam cartão. Programe-se.

Comments

comments

Deixe uma resposta