Natal vai receber o 3º Congresso de Política, Planejamento e Gestão da Abrasco


Faltam 4 meses e meio para acadêmicos, gestores e profissionais se reunirem na capital do Rio Grande do Norte para pensar projetos possíveis para uma Saúde universal, igualitária e integral. Marcado para os dias 1º, 02, 03 e 04 de maio de 2017, o 3º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde será um espaço privilegiado para avançar nas demandas sociais, teóricas e científicas da área da Saúde Coletiva. A terceira edição do congresso, que acontecerá no Centro de Convenções de Natal, tem como tema central ‘Estado e Democracia: O SUS como direito social’, e terá como presidente o vice-presidente da Abrasco, professor Cipriano Maia, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O prazo para submissão de resumos é até 31 de janeiro de 2017.

ENVIE O SEU TRABALHO

No convite oficial deste 3º Congresso de Política, Cipriano Maia, que exerceu cargos de direção no Ministério da Saúde, como diretor do Departamento de Apoio a Descentralização da Secretaria Executiva, no período 2003-2014, foi ainda pró-Reitor de Extensão – na UFRN, no período de junho de 2007 a abril de 2012, e Secretário Municipal de Saúde da cidade de Natal-RN, no período de fevereiro de 2013 a fevereiro de 2015, reforça o comprometimento com o direito universal à saúde e com a defesa do SUS – “Em Natal, poderemos realimentar nossos sonhos e avançar nas lutas pela conquista de uma sociedade mais saudável. O 3º Congresso de Política, Planejamento e Gestão em Saúde pretende ser um momento e um espaço de aglutinação de pesquisadores, professores, estudantes, profissionais, gestores, dirigentes de entidades e movimentos que lutam pelo direito à saúde e demais lideranças políticas e sociais comprometidos com a construção da cidadania e da democracia no Brasil. Acreditamos que a diversidade de sujeitos e a polifonia dos atores que se apresentarão no encontro, estimularão o diálogo e o debate de ideias para lidar com a crise sanitária e a crise política e social vividas pelo Brasil no contexto atual, e apontarão rumos para o enfrentamento das ameaças às conquistas sociais dos últimos 30 anos”, diz o convite que já está sendo enviado aos abrasquianos.

Segundo a Comissão de Política, Planejamento e Gestão em Saúde da Abrasco, a escolha do tema ‘Estado e Democracia: o SUS como Direito Social’ emergiu da necessidade desta área de se repensar para enfrentar os desafios que se apresentam numa conjuntura de grande complexidade. Eventos dessa natureza, comprometidos com a realização de um grande debate técnico-político, são fundamentais para possibilitar o surgimento de novas formas de gestão criativas, flexíveis e eficientes, informadas por um diálogo permanente entre intelectuais, gestores, profissionais, estudantes e demais atores do sistema de saúde, para viabilizar políticas democráticas e inovadoras, planejamento eficiente e gestão qualificada. A programação do Congresso está sendo desenvolvida sob a perspectiva da intensidade de participação que a conjuntura atual exige, onde diversas ocasiões de encontro e de interação serão oportunizadas aos diversos sujeitos presentes nas sessões temáticas e fóruns de debates. O objetivo geral é estabelecer um espaço ampliado de debate sobre as possibilidades de ação reflexiva e crítica no campo da saúde, integrando os conhecimentos científicos com a formulação de políticas, contribuindo para tecer as condições de viabilidade e atualização do projeto da reforma sanitária. Isso implica necessariamente repensar os caminhos a seguir, estabelecendo uma nova agenda de ação coletiva que permita consolidar este projeto político-sanitário, com propostas que devem ser apreciadas na Plenária final.

Para Alcides Miranda, presidente da Comissão Científica, o maior desafio na realização desta terceira edição é o de ponderação e mediação entre a necessária análise crítica de uma conjuntura política muito adversa e a proposição de alternativas viáveis para a sua superação, não somente em curto prazo, tendo como referencia os valores ético-sociais e o projeto político do SUS – “Somente a análise crítica pode induzir desânimo, pessimismo e imobilidade, necessitamos discutir sobre o que fazer em termos de resistência e de proatividade perante a esta ofensiva de retrocesso civil, desmonte de políticas públicas e expropriação de direitos sociais”, pontua Alcides.

Os valores de inscrição também já foram definidos e estão disponibilizados no site oficial do Congresso.

Comments

comments

41 comentários sobre “Natal vai receber o 3º Congresso de Política, Planejamento e Gestão da Abrasco

  1. Olá!

    Quando sairá a data e as orientações para envio dos trabalhos?

    Mesmo o evento sendo divulgado com antecedência seria importante rever os valores da inscrição, pois estão muito caros. Levando em consideração um graduando que não tem bolsa de assistência estudantil e mora em outro estado fica muito difícil de se fazer presente, pois além da inscrição tem toda a despesa da viagem.

    Aguardo retorno.

    Grata,
    Sabrina Santiago

  2. Boa tarde, a proposta do evento é válida e até necessária nesse momento de desmonte do SUS que vivemos. …mas o valor cobrado pela inscrição está muito alto e inclusive limita a participação das pessoas e consequentemente restringe a um público que tem condições de pagar esse valor num período de recessão econômica que estamos vivendo! Espero que seja revisto esse valor!

  3. Eu sei que não é exclusividade do evento de vocês, mas como aqui há espaço pra comentários acho relevante comentar isso: é preciso repensar esses valores astronômicos cobrados pra eventos. Eu sou estudante de mestrado e sou bolsista, tenho o privilégio de poder contar com a ajuda financeira do meu programa para participar de alguns eventos, mas sei que muitos não contam com isso. Esses valores elitizam o evento e excluem os trabalhadores que não são pesquisadores e acho que isso diminui a potência dos debates. Será que só nos interessa o diálogo com o mesmo e seleto grupo?

  4. Prezados, em tempo de crise, os valores estão caros para todos!!! Seria interessante rever os valores como estratégia de participação de um número maior de pessoas interessadas em discutir os rumos da Política, Planejamento e Gestão do SUS.
    Já participei de outras edições desse evento e aproveito para recomendar a participação de todos que querem defender a política de saúde garantida na Constituição Federal de 1988.

  5. Os valores de inscrição estão altíssimo. Aqui em Natal, com esses valores nem os egressos em Saúde Coletiva poderão participar, muitos de nós estamos fora do mercado de trabalho, fica difícil participar com uma taxa dessa.

  6. Olá pessoal, boa tarde. O Congresso parece ser muito interessante, como estudante de graduação, militante do movimento estudantil, quero muito participar desse evento que reunirá diversas pessoas que lutam por um SUS público, estatal, de qualidade, integral, universal e com ampla participação popular.
    Parabenizo previamente a organização, pelo tema e local escolhido.
    Quanto aos valores, realmente ficam caros para estudantes (principalmente não associados), dessa forma eu sugiro que a organização possa abrir vagas na característica de monitor (estudantes que possam auxiliar na organização do evento, e demais atividades) e que possam ter inscrição gratuita.
    Fica como sugestão.
    Grande abraço
    Ronald

  7. Prezados,
    Sou professor, sanitarista e associado.
    Honestamente, esses valores estão totalmente fora da realidade para grande parte dos alunos e profissionais.
    Levando em consideração que o evento ocorre em período de feriado, no nordeste, as passagens, da maioria do País para Natal, não saem por menos de 1000,00.
    Contando os demais gastos, voces acabam por excluir grande parte do publico alvo.
    Entendo que o evento tem seus custos, mas existem maneiras e maneiras de se conseguir patrocinadores e colaboradores para que os valores sejam muito reduzidos.
    Em tempos de golpe e crise, gastar pelo menos 2 mil reais com passagem, inscrição e acomodação é um privilégio para muito poucos.

  8. Bem…devo concordar com os demais, e ratificar a importância do evento, mas de fato é muito caro. Ainda mais nesses tempos difíceis que passamos, precisar pagar até 800 reais pra partilhar e aprender com todos os que participam, é um tanto ultrapassado!
    Seria ótimo que pudessem rever esses valores, nem estudante, nem profissional do SUS precisa investir tanto numa inscrição, digo isso porque ainda tem passagem, estadia, alimentação, etc.
    Abraços!

  9. Gostaria muito de participar do evento, porém, os valores estão exorbitantes para qualquer categoria descrita. A comissão precisa rever para quem está sendo realizado o congresso e qual sua repercussão diante do cenário que estamos vivendo.

  10. Bom dia ! Os comentários dos companheiros a cima me contemplam bastante. Mas mesmo assim ressalto, o valor do congresso está exorbitante e invisival para conjuntura econômica que vivemos e ainda mais sem coerência com o tema do congresso. Se o mesmo tem como base a defesa do sus, prq fazer um congresso que muitos não podem pagar? Um valor altto é um entrave para a classe trabalhadora, para muitos militantes…. Não consigo compreender- Falar de luta por algo público, mas elitiza um espaço de debate. Quanto a sugestão de monitores, concodor bastante, porém não é o mecanismo suficiente para termos pessoas que não pode pagar. Os preços devem ser revistos e ter monitoria tbm !!

  11. Considero de grande relevância a temática a ser abordada e tenho certeza que será um espaço de compartilhamento de ricas experiências e aquisição de conhecimentos, porém considero alto o custo de inscrição,pois haverá também um alto custo para passagem aérea, hospedagem, alimentação. Assim, não há adequada condição financeira para a participação de bolsista de pós-graduação.

  12. Muito boa a proposta do congresso.
    No entanto, se formos levar em consideração a atual conjuntura, como está explícito na mensagem inicial, acredito que os valores das inscrições estão altíssimos, quase que incompatíveis com o cenário em que vivemos, dado o grande número de pessoas desempregadas na sua área, que preferem comer do que pagar um congresso caro como este, porque com estes valores, é melhor gastar com comida..

    1. Olá Erico, são estas as linhas:

      1) ESTADO, POLÍTICAS SOCIAIS E DE SAÚDE.
      2) GESTÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE.
      3) PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE.
      4) REDES DE ATENÇÃO E GESTÃO DO CUIDADO EM SAÚDE.
      5) ECONOMIA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE.
      6) GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE.
      7) RELAÇÕES FEDERATIVAS E REGIONALIZAÇÃO DA SAÚDE.
      8) DEMOCRATIZAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NA SAÚDE.
      9) DIREITO E JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE.
      10) COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO NA GESTÃO EM SAÚDE
      11) CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE

  13. Compartilho da opinião dos colegas acima, quero muito ir mas os valores estão muito acima do que eu posso bancar.

    Entendo que deva ser complicado gerenciar os custos dum evento desse porte e admiro o empenho dos organizadores, mas espero que algo possa ser feito pra atenuar esse problema.

    Abraços

Deixe uma resposta