Cenário do Brasil pós pandemia é debatido na última oficina preparatória para o 4º CBPPGS

José Noronha (Cebes e Saúde Amanhã/Fiocruz); José Carlos Braga ( UNICAMP ); Roberto Requião (ABTO); Jorge Abrahão de Castro (UNB e ex-diretor do IPEA) e Raphael Padula (UFRJ)

Os rumos do Brasil num cenário pós pandêmico foi o tema da conversa entre especialistas na última edição da oficina preparatória para o 4º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão da Saúde, que acontece em ambiente virtual entre os dias 23 e 26 de março. 

Com mediação de José Carvalho de Noronha (Cebes e Fiocruz), a conversa abordou temas como o avanço do neoliberalismo nos últimos anos, a falta de um plano de desenvolvimento para o país e a postura relapsa do Governo Federal diante da pandemia de Covid-19. “O Brasil se encontra sem uma trajetória traçada, planejada e organizada de desenvolvimento do país.” afirma José Carlos Braga (Unicamp).

A falta de uma estratégia de desenvolvimento voltada  à população, em detrimento ao lucro, foi pontuada por Roberto Requião (ABTO), que debateu o futuro da democracia brasileira. “A visão liberal, o respeito absoluto ao dinheiro e a falta de fraternidade, de identidade com o trabalhador, com a vida do povo está predominando.” garante o ex-senador. 

Para o palestrante Jorge Abrahão de Castro (UNB e ex-diretor do IPEA), a pandemia  catalisou um processo de fortalecimento neoliberal que vinha tomando força há algum tempo.  “Com a pandemia, aquele projeto neoliberal que vinha desde os anos 90 viu uma possibilidade de chegar mais rápido ao estado mínimo, liquidando o que entendemos como estado social, propondo o fim do SUS, a capitalização da previdência social.” afirma. 

Esse desmonte dos serviços públicos de atendimento à população e a falta de olhar social corroboram para um enfraquecimento da imagem do Brasil em um cenário internacional. Com campanhas de vacinação, sistema de saúde único e universal e políticas inovadoras, ainda que precarizadas, de assistência, o país tinha tudo para se tornar uma potência dentro do contexto das Américas. Como levantado pelo pesquisador Raphael Padula (UFRJ), entretanto, “ Para a política externa dos Estados Unidos, não é interessante que o Brasil se torne uma potência.” garante. 

Assista:


4º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão da Saúde

A oficina fez parte de um ciclo de conversas preparatórias para o 4º CBPPGS. Este ano será a primeira edição do Congresso realizada inteiramente em ambiente virtual devido à pandemia. Últimos dias para as inscrições – Até sexta, dia 5. Acesse aqui.

 Acesse o site do congresso e saiba mais!

Comments

comments

Deixe uma resposta