Confira cobertura cultural do 10º Congresso Brasileiro de Epidemiologia

Este slideshow necessita de JavaScript.

Abertura

Surpreendendo os participantes do congresso a atriz Vanderléia Will , que interpreta a personagem Dona Bilica, iniciou a programação cultural antes da solenidade de abertura e da primeira conferência do evento, de Jairnilson Paim. Dona Bilica  vive no imaginário popular local: é rendeira, benzedeira e lavadeira, mora numa casinha de pescador e conta causos. A personagem deu as boas vindas aos congressistas, contando um pouco da história de Florianópolis, brincando com a plateia e trazendo leveza e descontração.

+
 Conferência de Jairnilson Paim: a defesa do SUS é a defesa da liberdade 

Por fim,  com a mesa de honra já composta, Luiz Meira, um dos mais requisitados instrumentistas brasileiros , cantou o Hino Nacional Brasileiro e o “Rancho de amor à  Ilha” , um ode à cidade de Florianópolis .

Em seguida, o grupo Alivanta meu Boi trouxe  a brincadeira do boi de mamão representando a  tradição herdada dos Açores, em uma das versões do folclore. Um casal rural procura uma benzedeira para cuidar do boi, morto. O boi ressuscita e começa a brincadeira, que traz outras alegorias como a Bernúncia –  um bicho-papão que engole as crianças – e a Maricota , uma mulher alta e desengonçada.  A imagem da Bernúncia, meio cobra meio dragão, inspirou, inclusive, a logo do Congresso.  Segundo  Sandro, empresário, folclorista e participante  do grupo – que é majoritariamente composto por crianças – o Alivanta meu Boi não precisa ensaiar ou planejar as cenas, todos sabem as  estórias e se adequam  às atuações nas apresentações.

+ Confira a cobertura completa da solenidade 

 

Dia 9/10 

O quarteto Quex-quex trouxe uma bagunça musical organizada durante o horário de almoço do primeiro dia de congresso.  O grupo se formou a partir de rodas de chorinho, e a apresentação foi exclusivamente instrumental: sem voz, mas com bateria, bandolim, violão de sete cordas, flauta e clarinete dominando o anfiteatro do CentroSul, espaço de convenções que sedia a reunião de cerca de 4000 pessoas na Ilha.  O nome vem de um ditado local, “se qués qués , se não qués diz” – que, traduzindo do sotaque manézinho , significa “se queres , queres, se não queres diz”.  Assista um trechinho do show, no vídeo, e confira a página da Quex-quex nas redes sociais:

 

Dia 10/10

Na terça-feira a apresentação também foi instrumental. O dueto de teclado e guitarra, com o argentino Sito Lozzi e o gaúcho Léo Garcia, preencheu o espaço. As melodias gostosas são a mistura de jazz com música sul-americana rio platense e brasileira.

 

Dia 11/10 

Fechando as atividades culturais, Rafael Caligari – compositor e contrabaixista – se apresentou com o  baterista Richard Montano e o guitarrista Wslley Risso. Eles fizeram um jogo de improviso, acompanhando o padrão da trilha sonora do evento: só instrumentos.

Além das exibições musicais , os congressistas puderam apreciar uma exposição de artesanatos.  Segundo Silvia Sandri, artesã local, o grupo  teve recorde de vendas: “Muito obrigada por todo carinho, o evento de epidemiologia foi muito bom para nós ,os Arteiros da Ilha!”.

Comments

comments

Deixe uma resposta