COMISSÃO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS EM SAÚDE

A composição da Comissão de Ciências Sociais e Humanas em Saúde da ABRASCO, criada em 1986, integra pesquisadores de diferentes instituições que, ao longo dos 30 anos de sua existência, encontram nesse espaço a possibilidade de construir coletivamente reflexões e ações que fomentam a complexidade do campo da Saúde Coletiva.

Ao longo dessa trajetória, a área das Ciências Sociais e Humanas em Saúde cresce e se consolida, atestando maturidade com uma produção em franca expansão. Os aportes científicos proporcionam um instrumental analítico crítico que permite compreender e dialogar com processos sociais complexos, assim como refletir conjuntamente (com gestores, profissionais, pesquisadores,usuários, acadêmicos) sobre as melhores formas de produção da vida e de saúde.

A Comissão de Ciências Sociais e Humanas em Saúde da ABRASCO coloca-se assim como fórum privilegiado para propiciar o diálogo e a circulação de saberes, cada vez mais urgente, dado a pluralidade de discursos, saberes e práticas presentes no campo da Saúde Coletiva.

A Comissão permanece atenta aos complexos dos cenários contemporâneos de forma a se constituir como agente de agregação e de enfrentamento dos inúmeros dilemas e desafios colocados pelas diversidades humanas e pelos diferentes espaços culturais, sociais, políticos e institucionais. É continuamente convocada a refletir e a reagir sobre esses desafios apostando nas interfaces e na construção de um espaço que privilegie a problematização constantemente renovada por interrogações e inquietações sobre as formas de produção do conhecimento.

O VI Congresso de CSHS é marcado pelo Projeto Memória: 30 Anos da Comissão de Ciências Sociais e Humanas em Saúde e seus produtos – Exposição gráfica sobre a Linha do Tempo com a trajetória desta Comissão, bem como Vídeo com entrevistas dos principais atores responsáveis pela condução dos diversos Congressos de Ciências Sociais e Humanas em Saúde. Este levantamento deu visibilidade erealce aos seus principais eventos, produção crítica sobre a presença das ciências sociais no ensino, na pesquisa, na gestão e na assistência à saúde e na valorizaçãoda pluralidade temática, que configura a área hoje.

Outro marco deste VI Congresso é o fortalecimento de uma nova forma compartilhadade organização descentralizada e regionalizada, formada a partir da proposição dos grupos temáticos, que inovam na gestão e na produção de conhecimento mantendo a cientificidade, a autonomia de pensamento e a ética no processo, já testada no V Congresso.

Após o último evento, sente-se a necessidade de avançar na compreensão dessas novas fronteiras para melhor apreender os desafios, as limitações e também as potencialidades que elas trazem para a instituição do sistema de saúde universal e equânime que se idealizou e consubstanciou a partir da reforma da saúde para a qual as ciências sociais e humanas em saúde têm contribuído historicamente.