Saúde das populações continua a mercê de lixo tóxico

Para Nelson Gouveia, professor do departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e vice-presidente da Abrasco, o Brasil possui casos parecidos com o italiano, mesmo que sem o componente mafioso. “Há um monte de empresas que já andaram enterrando lixo tóxico em lugares indevidos”.