Perspectiva dos periódicos científicos em debate na reunião anual do SciELO Brasil

Este slideshow necessita de JavaScript.

Realizada em 14 de dezembro passado, a reunião anual do Scientific Electronic Library Online – SciELO Brasil debateu contextos e condicionantes nacionais e globais para o futuro dos periódicos científicos. A atividade contou com a participação de José Leopoldo Antunes, professor titular da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP), editor-chefe da Revista de Saúde Pública e integrante do Fórum de Editores em Saúde Coletiva.

Na programação, Antunes foi responsável por apresentar o debate acerca da internacionalização dos periódicos. “É um tema relevante, mas também complicado, pois dá muito trabalho para levantar as informações em um cenário maior. Apresentei dados sobre a experiência da RSP em atrair a colaboração de autores estrangeiros. Essas colaborações são em pequeno número, pouco mais de 10% dos artigos submetidos”.

Na avaliação do docente, a maioria dos artigos estrangeiros recebidos atualmente é de baixa qualidade, como indicado pela alta taxa de recusa no processo de avaliação editorial. Em que pese a importância de se desenvolver estratégias de divulgação das revistas brasileiras no cenário científico internacional, ele aponta que, como atualmente posto, o processo traz mais dificuldades do que facilidades para os editores científicos. “O problema é que esse ponto foi incluído como critério de avaliação dos periódicos, o que motivou a crítica de muitos editores de revistas científicas no país”, avalia Antunes, acrescentando a necessidade de se pensar também o movimento inverso, ou seja, a participação de autores brasileiros nas revistas estrangeiras. Acesse aqui a apresentação de José Leopoldo Antunes.

Além de José Leopoldo Antunes, participaram dos painéis os pesquisadores Lucas Massimo (UNINTER/Revista de Sociologia e Política) sobre o tema da profissionalização; André Felipe Cândido da Silva (COC/Fiocruz/História, Ciências, Saúde – Manguinhos) sobre o tema da sustentabilidade;  e Maria Helena Marziale (EEUSP/EERP/Revista Latino-Americana de Enfermagem) e Abel Paker (SciELO/FAPESP), sobre as linhas prioritárias de ação e perspectivas de médio e longo prazo do maior projeto de acesso aberto da América Latina, respectivamente.

Sobre a participação no conselho consultivo do SciELO na área das Ciências Biológicas e da Saúde, o abrasquiano destaca a validade da atividade para o crescimento e qualificação desta biblioteca eletrônica. “As solicitações de novas revistas ao SciELO são julgadas pelos critérios estipulados para cada área de conhecimento, os quais dizem respeito a características editoriais, como periodicidade e frequência da publicação; porcentagem de artigos que são traduzidos para o inglês, e outras. É uma atividade que contribui para a manutenção do SciELO, que é um programa que decerto interessa à Saúde Coletiva no Brasil”. Dentre as recentes atividades desse comitê está a aprovação de dois novos títulos: Saúde e Sociedade e Saúde em Debate. Os periódicos passarão em breve a figurar na página da coleção SciELO Saúde Pública .

Leia aqui a matéria SciELO e o futuro dos periódicos, do SciELO em Perspectiva

Acesse aqui as apresentações dos painéis

 

Comments

comments